sexta-feira, maio 09, 2008

Bush e Bento 16 defendem fé e lei moral comum


Ao receber [no dia 16] o papa Bento XVI na Casa Branca, o presidente norte-americano George W. Bush deu suas boas-vindas ao Pontífice, dizendo que os Estados Unidos devem combater o relativismo e buscar uma lei moral comum para todos. Bento retribuiu, afirmando que confia na preocupação norte-americana para resolver conflitos internacionais e disseminar o progresso.

"A nação dos Estados Unidos está comovida com Sua decisão de passar Seu aniversário [de 81 anos] conosco", disse Bush, ao lado da primeira-dama, no encontro oficial realizado ... na Casa Branca.

O presidente agregou que "o mundo precisa de sua mensagem para se opor à mensagem do relativismo", fazendo eco a discursos de visitas anteriores do Papa ao país (ainda como cardeal), quando já criticava o ceticismo e o relativismo da fé religiosa. "Os Estados Unidos acreditam na liberdade religiosa, no amor pela liberdade e na lei moral comum", continuou Bush.

Logo em seguida, Bento XVI pediu que o povo norte-americano encontre, na própria crença religiosa, "discernimento e inspiração" para lidar com as "questões políticas [cada vez mais] complexas", baseando-se sempre na fé. [A velha mistura entre fé e política..]

O Papa também expressou sua confiança em que a "preocupação [dos Estados Unidos] pela ampla família humana" continue se traduzindo "no apoio aos esforços pacientes da diplomacia internacional, orientados a resolver os conflitos e a promover o progresso". ...

"Deus abençoe a América [os Estados Unidos]", foi a frase que o papa Bento XVI julgou propícia para terminar seu discurso na cerimônia de boas-vindas. Esta é a segunda vez na história que um papa visita a Casa Branca (o primeiro foi seu antecessor, João Paulo II, em 1979).

(Ansa Latina)

Leia também: Bento XVI nos EUA