sexta-feira, maio 20, 2011

PLC 122 amordaça os críticos do homossexualismo

A senadora Marta Suplicy, do PT, atual relatora do PLC 122 – a lei que pretende criminalizar a homofobia no Brasil – fez uma alteração substancial no texto que tramita no Senado Federal. Na prática, a alteração permite que pregações em templos e igrejas condenem a homossexualidade. É a forma encontrada pela Senadora e seus assessores para que o texto do PLC 122 passe pela barricada formada pelos parlamentares evangélicos. Agora o projeto deixa claro que a lei não se aplicará a templos religiosos, pregações ou quaisquer outros itens ligados a fé, desde que não incitem a violência. O novo parágrafo diz: “O disposto no capítulo deste artigo não se aplica à manifestação pacífica de pensamento fundada na liberdade de consciência e de crença de que trata o inciso 6° do artigo 5° (da Constituição).” A liberdade de pregação e culto contra a homossexualidade, preservada pelo novo texto, não inclui as mídias eletrônicas. Isso é: continuam vetados, sob pena de multa, textos, vídeos e falas que condenem a homossexualidade publicados em sites ou transmitidos pela TV.

(Mix Brasil UOL)

Nota: A “bancada evangélica” pode até comemorar essa mudança no texto do PLC 122, mas, na prática, é como se a lei enviasse os crentes para o gueto de suas igrejas. Somente lá dentro eles poderão exercer sua “liberdade” de opinião. Enquanto isso, os homossexuais tomam as ruas, organizam paradas indecorosas sob as ávidas lentes da imprensa e promovem “beijaço” em frente a catedrais. Evidentemente que toda violência tem que ser combatida e a tolerância tem que ser defendida, mas as liberdades estão desproporcionais neste país. Melhor parar por aqui, pois a mordaça vem chegando...[MB]

Leia também: "Ainda o kit gay: Reinaldo Azevedo rebate Schwartsman"