quinta-feira, setembro 10, 2015

Servidoras protestam contra restrição à minissaia

Manifestantes protestam na Câmara
Servidoras da Câmara dos Deputados cobriram a cabeça e o rosto com lenços que simbolizavam burcas para protestar contra uma medida em discussão na Casa que proíbe que mulheres transitem pelo local vestindo minissaias, transparências, blusas decotadas e até sandálias. O ato, organizado por movimentos sociais, reuniu dezenas de servidoras, no final da manhã desta quarta-feira, 9. Com cartazes nos quais que se lia “#MaisÉtica #MenosEstética”, elas gritavam: “Cuide do seu decoro, eu cuido do meu decote.” “Isso é um absurdo. É inconstitucional. É conservadorismo, atraso social e cultural”, disse Vanda Trigueiro, assessora da liderança do PT e servidora da Casa há 20 anos. Para uma das organizadoras da manifestação, a assistente social Yvone Duarte, do Movimento pelo Estado Laico, as restrições ferem a autonomia das mulheres. “Tem coisas muito mais importantes para andar no Congresso Nacional. Este assunto é secundário”, disse Yvone.


Note: Deveria ser preservado todo tipo de decoro, na Câmara e em qualquer lugar. O lema deveria ser “Mais ética, menos indecência e exposição indevida”. É uma falsa lógica a apresentada pelas manifestantes: há coisas mais importantes para serem tratadas no Congresso, por isso o assunto das minissaias e dos decotes não deve ser tratado. Uma coisa não exclui a outra. Homens devem respeitar ali certo protocolo no que diz respeito ao vestuário, e isso é correto, em se tranado de uma casa de leis. Por que, então, as mulheres que transitam por ali não deveriam também se submeter a regras? E isso que a questão nem diz respeito à diversidade, mas, sim, ao decoro mesmo. Qual o objetivo de exibir seios e pernas naquele ambiente? Isso é conquista? Isso é liberdade feminina? Outra coisa: creio que pegou muito mal utilizar elementos da cultura islâmica para protestar contra a medida em discussão na Câmara. Aliás, a mulher ocidental poderia aprender alguma coisa com a mulher islâmica (sem levar em conta, evidentemente, aspectos machistas relacionados com aquela cultura). Certa vez, li um artigo de uma jornalista brasileira admirada com o aumento das vendas de lingerie do Brasil para países islâmicos. E ela foi investigar a situação. Conversou com algumas mulheres muçulmanas e ficou impressionada com a explicação. “Por que vocês, mulheres muçulmanas que se vestem com tanto decoro, estão comprando lingeries do Brasil, conhecidas pela sensualidade?” “Simples”, disseram as muçulmanas, “nós compramos esse tipo de lingerie para mostrar aos nossos maridos. E os outros homens não têm nada a ver com isso.” Nossa democracia realmente tem muito o que aprender... [MB]