quarta-feira, março 30, 2016

Fósseis de crânios revelam: cérebro está encolhendo

Sinais de involução
Darwin foi o primeiro a propor a relação de parentesco evolutivo entre os seres humanos e os grandes macacos, incluindo o crescimento gradativo da capacidade craniana e do volume do cérebro. Para os evolucionistas, a evolução dos humanos é um fato e está relacionada ao grande cérebro que estes possuem. Para eles, a maior evidência pode ser encontrada no registro fóssil.[1] Pois bem, infere-se que a capacidade craniana aumentou de 500 cm³ para 1.200 cm³ entre os primeiros Homo habilis e o Homo erectus, em pouco mais de um milhão de anos. Seus sucessores, o Homo sapiens neandertalensis (nomenclatura usada para considerar o homem de Neandertal uma subespécie do homem atual), surgido há supostos 300 mil anos, e o Homo sapiens sapiens (homem moderno), há 120 mil anos, aumentaram a capacidade craniana para o valor atual de 1.450 cm³. Por outro lado, como podemos ter certeza de que essas inferências são reais? O que não faltam são evidências mostrando que “especialistas” têm erroneamente classificado fósseis como sendo de espécies de hominídeos, tal como afirma Ian Tattersall, antropólogo do Museu Americano de História Natural de Nova York: “Novos fósseis têm sido acidentalmente atribuídos a espécies de Homo, com o mínimo de atenção aos detalhes de morfologia.”[2]

Além disso, um fato contrário à perspectiva evolucionista do aumento gradativo da capacidade craniana apareceu no tempo de Darwin. Em 1856, isto é, três anos antes da publicação de A Origem das Espécies, os restos fósseis da espécie Neandertal foram descobertos na Gruta de Feldhofer, no Vale de Neander, Alemanha. O curioso é que a calota craniana do homem de Neandertal é aproximadamente 10% maior em volume que o do homem moderno.[3] Darwin tinha ciência desse fóssil, mas, mesmo assim, se esforçou para tornar primitivos e abrutalhados nossos supostos ancestrais. Para ele, os Neandertais eram subumanos, quase bestas. Nesse sentido, ele foi um péssimo observador, pois não entendeu o significado da capacidade craniana de 1.600 cm³ do Neandertal em relação aos 1.450-1.500 cm³ dos humanos de hoje.

Em 1868, por sua vez, o geólogo Louis Lartet descobriu cinco esqueletos de Homo sapiens no abrigo de Cro-Magnon, em Dordogne, no Sudoeste de França. Dentre eles, o crânio do famoso Cro-Magnon (de um homem idoso) era o que tinha o melhor crânio.[4] Em relação aos nossos ancestrais mais próximos, o crânio de Cro-Magon é considerado o fóssil mais antigo de Homo sapiens conhecido na Europa. Forte e musculoso, o homem de Cro-Magnon tinha o crânio grande e estreito, a fronte reta e a face curta e larga. A altura média do Cro-Magnon era de 1,80 m, enquanto os neandertais clássicos tinham uma altura média de 1,65 m.

O crânio do Cro-Magnon é literalmente o mais velho antepassado Homo sapiens (com supostos 28 mil anos) descoberto até hoje na Europa. Daí a importância de seu estudo. Mas o que nos intriga em relação ao fóssil do Cro-Magnon é sua medida craniana de 1.700 cm³, volume grande quando comparado à média craniana de 1.450-1.500 cm³ dos humanos atuais. Aqui vemos nitidamente mais um fato contrário à perspectiva evolucionista do aumento gradativo da capacidade craniana.

Em 2010, dois paleoantropólogos franceses conseguiram, pela primeira vez, reconstituir em 3D o formato do cérebro do homem de Cro-Magnon. A observação imediata por parte dos investigadores foi a de que aquele cérebro “era claramente maior do que a média atual”.[4] Aquele “era uma cérebro muito musculoso”, de acordo com os cientistas franceses. A conclusão foi a de que, “ao longo da evolução nos últimos 50 mil anos, a dimensão corporal do homem diminuiu um pouco e seu crânio também acompanhou em média essa tendência”, explicou o paleoantropólogo Antoine Balzeau, do Museu Nacional de História Natural, em Paris.

Em 2008, uma pesquisa realizada por geneticistas evolucionistas já havia confirmado que o homem de Cro-Magnon é o ancestral dos europeus modernos.[5] Está bem estabelecido que sua semelhança com os humanos modernos está presente tanto em nível anatômico quanto em nível genético. Segundo a pesquisa, o Cro-Magnon saiu da África há supostos 40 mil anos e se estabeleceu no continente Europeu. Teria vivido há supostos 28 mil anos no sul da Itália, e coabitado com os neandertais.

Se essa hipótese evolutiva estiver correta, como explicar o fato de que, em 40 mil anos de existência, só nos últimos seis mil anos é que o Cro-Magnon desenvolveu a habilidade de registrar sua história de maneira mais significativa? Para os criacionistas, o homem de Cro-Magnon pode ter sido um homem das cavernas pós-diluviano, responsável por algumas pinturas rupestres notáveis (verdadeiros artistas) em cavernas também pós-diluvianas, como a gruta de Lascaux, na França.[6] Sob essa perspectiva, não há chances de que eles sejam semelhantes às figuras que se veem em livros didáticos ou caricaturas de histórias em quadrinhos. Para os criacionistas, o homem de Cro-Magnon é essencialmente o mesmo que os europeus modernos, apenas representando uma geração mais antiga.[7]

Em 2003, foram descobertos os fósseis cranianos do homem de idaltu, espécie humana anatomicamente moderna mais antiga que se conhece (cerca de 160 mil anos atrás), escavados em um sítio paleontológico na Etiópia.[8] O estudo descreveu três crânios fossilizados, dois adultos e uma criança, encontrados na vila de Herto, 230 quilômetros a nordeste da capital da Etiópia. A nova subespécie foi chamada de Homo sapiens idaltu. O homem de idaltu se situa, na escala evolutiva de tempo, entre hominídeos mais primitivos (também encontrados na África) e os humanos atuais – da subespécie Homo sapiens sapiens. O resultado da análise dos fósseis revelou que o homem de idaltu era mais alto que os homens atuais e seu cérebro era ligeiramente mais volumoso.[9] Portanto, ele também está fora do esquema evolutivo clássico. Para os criacionistas, o homem de idaltu também é um ser humano pós-diluviano.

Em 2014, um estudo realizado por pesquisadores chineses evolucionistas analisou 500 moldes de cérebros criados a partir das impressões no interior de crânios dos últimos sete mil anos na escala de tempo evolutiva.[10] Os resultados confirmaram o que se suspeitava: o cérebro humano está ficando menor. E não é apenas uma área particular do cérebro que está encolhendo, o cérebro inteiro foi ficando cada vez menor. Para os autores, essas alterações podem estar sendo causadas por mutações genéticas aleatórias e mudanças epigenéticas em resposta a alterações no ambiente.

É interessante esse resultado, pois há dezenas de anos os criacionistas vêm afirmando que, após o dilúvio, o ser humano foi degenerando (involuindo) em estatura e em longevidade, devido a um conjunto de fatores: (1) pecado; (2) passagem da alimentação natural (vegetarianismo) para o consumo emergencial de carne diante da escassez de vegetação pós-diluviana; (3) mudanças climáticas pós-diluvianas, tais como a diminuição do oxigênio na atmosfera e a maior incidência de radiação cósmica;[11-13] (4) doenças devido ao acúmulo de mutações genéticas rápidas que passaram a ocorrer em uma mesma geração devido à ação de transpósons; essas mutações deletérias forçaram uma explosão da variação do genoma humano há cerca de cinco mil anos atrás.[14, 15]

Cabe ressaltar, ainda, que o conceito de “homem das cavernas” geralmente é atribuído a descobertas de restos fósseis de ossadas humanas em grutas e abrigos sob rochas. Diante disso, é interessante fazer um apanhado dos textos bíblicos que se referem a cavernas, para analisar seu contexto em comparação com o conceito já mencionado de “homem das cavernas”. Em diversos textos (Gênesis 19:30; 23:3-20; 25:09; 49:29-33), vemos que as cavernas constituíam abrigos emergenciais, sepulturas e locais de habitação de certo tipo de população marginalizada expulsa das cidades em virtude de certas patologias (lepra ou distúrbios mentais). Por isso, não seria de admirar que esses fósseis humanos encontrados em cavernas viessem hoje a ser considerados pelos evolucionistas como sendo seres que não tivessem ainda atingido sua “plenitude evolutiva”.[16]

O ser humano está ficando mais burro?

Os grandes historiadores concordam que os documentos históricos encontrados até o presente momento apontam para uma história humana recente. A humanidade surgiu há aproximadamente cinco mil anos, em termos de documentos históricos comprovados.[6] Essa é uma evidência forte no apoio à historicidade do relato bíblico, com um detalhe importante: o surgimento das antigas civilizações, demonstrando grande conhecimento e domínio profundo de diversas áreas. É fato que muitas construções do passado não podem ser reproduzidas com a tecnologia que temos hoje. As mentes mais “brilhantes” do mundo atual não conseguem conceber que seres humanos do passado possam ter sido mais fortes e inteligentes do que os de hoje, levando-os a formular a hipótese de que extraterrestres tenham trazido grandes conhecimentos à Terra.[17]

Civilizações extintas são conhecidas por terem tido incríveis conhecimentos tecnológico, astronômico, matemático, agrícola, pecuário e médico. É compreensível o fato de que os naturalistas modernos não consigam entender como grandes construções foram levantadas, tais como as pirâmides do Egito, as mais altas estruturas feitas pelo ser humano, recordistas por mais de 3.800 anos. Além de outras pirâmides (México, China e Peru), monumentos e projetos arquitetônicos Incas (Machu Picchu, por exemplo), grandes construções escavadas em cavernas, obras imensas de engenharia, tais como a Arca de Noé e a Torre de Babel, entre muitos outros.

O fato de o cérebro humano ter encolhido 10% nos últimos 30 mil anos (isso segundo o modelo evolucionista; o que equivalente a cerca de quatro mil anos no modelo criacionista) levou os pesquisadores a uma conclusão radical: “Com a emergência de sociedades mais complexas, o cérebro humano foi se tornando menor, porque os indivíduos já não necessitavam ser tão inteligentes para sobreviver”, explicou o professor de Psicologia David Geary, da Universidade de Missouri.[18]

Fica evidente aqui o pressuposto evolucionista do autor ao sugerir que a sociedade moderna seria bem mais complexa que as antigas civilizações, crença essa que está na contramão dos fatos. Será que o autor se esqueceu de que a história está repleta de registros que mostram que povos antigos tinham capacidades cognitivas extraordinárias? Ao comparar as imensas construções de civilizações antigas tão duradouras com as nossas, pergunto-me: Quanto tempo duram os prédios hoje? Para os criacionistas, é nítida a lacuna existente entre o alto nível de capacidade cognitiva que tinham as gerações passadas e o que restou para o ser humano moderno.

Uma forte evidência a favor disso pode ser encontrada nos registros sobre a capacidade artística que eles possuíam. Em 2012, cientistas fizeram comparações entre desenhos e concluíram que [supostos] homens das cavernas desenhavam melhor o movimento dos animais do que os artistas modernos.[19, 20] Para tanto, os autores examinaram as pinturas “pré-históricas” de bois e elefantes em muitas grutas como a de Lascaux, na França, e também nos quadros e estátuas modernas, também representando quadrúpedes em movimento. Foi analisada a exatidão da reprodução do movimento nessas pinturas e esculturas com relação às observações científicas dos movimentos desses animais. Segundo o autor de um dos estudos, “são as mais antigas e as mais elaboradas já descobertas, desafiando nosso conhecimento atual sobre a evolução cognitiva humana”.[20: p. 8.002]

E o que dizer do pensamento crítico, transmissão de ideias e tecnologia para produção de armas dos [supostos] homens das cavernas? Em 2012, uma pesquisa comprovou que o homem “arcaico” era um pensador “avançado”.[21] “As descobertas sugerem que nossos antepassados tinham uma capacidade maior para o pensamento complexo e a produção de armas”, afirma um dos autores do estudo.[22] “A tecnologia complexa [dos supostos homens da caverna] demonstra a capacidade para ideias complexas e para a transmissão dessas ideias, e, consequentemente, para a linguagem”, analisa a antropóloga Sally McBrearty.[23: p. 531]

Em 2012, um estudo sugeriu que os seres humanos estão lentamente perdendo capacidades intelectuais e emocionais devido ao fato de a intrincada teia de genes – ligados à inteligência – no cérebro humano ser suscetível a mutações que não estão sendo selecionadas contra pela seleção natural.[24, 25] Para o autor, o fato de a seleção natural não estar “peneirando” as mutações nesses genes provavelmente se deve à perda da pressão evolutiva necessária sofrida pelo ser humano moderno, uma vez que ele passou a viver em assentamentos agrícolas densos milhares de anos atrás. Em outras palavras, o ser humano não precisaria mais de inteligência para sobreviver.

O autor estima que em três mil anos, cerca de 120 gerações, o ser humano adquire duas ou mais mutações permanentes prejudiciais à sua estabilidade emocional e intelectual.[24, 25] Em geral, pesquisas recentes trazem estatísticas bem maiores que essas em relação à taxa de mutações adquiridas. Em humanos, as estimativas atuais são de que ocorram entre 100 a 200 novas mutações por indivíduo a cada geração.[26-28] Dessas, os dados variam entre 1-15% de mutações deletérias que causariam a perda direta de informação genética em humanos a cada geração.[26, 28-31]

Essas taxas elevadas de mutações que afetam muito rapidamente o ser humano nos ajudam a entender a conclusão de um estudo publicado em 2013 no qual se afirma que os seres humanos perderam, em média, 14 pontos de quociente de inteligência (QI) desde o fim da era vitoriana.[32] O trabalho analisou 14 estudos de inteligência feitos entre 1884 e 2004, que se centraram na velocidade de reação visual dos participantes. O tempo de reação reflete a velocidade dos processos mentais de dada pessoa e é considerado um sinal geral de inteligência.

Porém, segundo um dos autores, os resultados são atribuídos, sobretudo, ao fato de as pessoas mais educadas passarem a ter menos filhos, o que deixaria as gerações subsequentes com maior número de pessoas menos inteligentes.[33] Ao fazer uma análise dessa leitura, pergunto: Seria esse mesmo o real motivo? Embora os criacionistas concordem com a conclusão do estudo, eles rejeitam a interpretação que o autor faz de o controle de natalidade ser o responsável pelo declínio da inteligência humana.

O autor ainda alerta que outros estudos recentes têm sugerido um aumento aparente no QI a partir da década de 1940.[33] Porém, o especialista sugere que esses levantamentos refletem a influência de fatores ambientais – como melhor educação, higiene e nutrição –, que podem mascarar o verdadeiro declínio na inteligência herdada geneticamente no mundo ocidental. Por fim, como afirma o jornalista de ciência Michelson Borges, “não fossem a medicina e os remédios, creio que nossa expectativa de vida seria comparável à das pessoas da Idade Média. Pelo visto, evolução biológica (no sentido “ascendente”) não é o que vem ocorrendo. Degeneração, sim”.[34]

(Everton Fernando Alves é mestre em Ciências da Saúde pela UEM e diretor de ensino do Núcleo Maringaense da Sociedade Criacionista Brasileira [NUMAR-SCB]; seu e-book pode ser lido aqui: link)

Referências:
[1] Cardoso SH, Sabbatini RME. O Que Nos Faz Unicamente Humanos? Cérebro e Mente (15/01/2000). Disponível em: http://www.cerebromente.org.br/n10/editorial-n10.htm
[2] Schwartz JH, Tattersall I. Defining the genus Homo. Science. 2015 Aug 28;349(6251):931-2.
[3] Burgierman DR. Meio sapiens, meio neandertal. Super Interessante (Setembro de 1999). Disponível em: http://super.abril.com.br/historia/meio-sapiens-meio-neandertal
[4] Naves F. Cérebro de Cro-Magnon reconstituído em 3D. Diário de Notícias, (11/03/2010). Disponível em: http://goo.gl/q6GE0y
[5] Caramelli et al. A 28,000 Years Old Cro-Magnon mtDNA Sequence Differs from All Potentially Contaminating Modern Sequences. PLoS One 2008; 3(7):e2700. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0002700
[6] Azevedo RC. ABC das Origens. São Paulo: Kits, 2006.
[7] Arsuaga JL. El collar del Neandertal: en busca de los primeros pensadores. Madrid: Ediciones Temas de Hoy, 1999; ver também: Prideaux T. Cro-Magnon man. NY: Time-Life Books, 1973.
[8] White TD, et al. Pleistocene Homo sapiens from Middle Awash, Ethiopia. Nature. 2003 Jun 12;423(6941):742-7.
[9] Vieira CL. Mundo de ciência – O homem moderno mais antigo. Revista Ciência Hoje, n.196, agosto de 2003, p.8.
[10] Liu C, et al. Increasing breadth of the frontal lobe but decreasing height of the human brain between two Chinese samples from a Neolithic site and from living humans. Am J Phys Anthropol 2014; 154(1):94–103.
[11] Berner RA, Landis GP. Gas bubbles in fossil amber as possible indicators of the major gas composition of ancient air. Science. 1988; 239(4846):1406-9.
[12] Bellis D, Wolberg DL. Analysis of gaseous inclusions in fossil resin from a late cretaceous stratigraphic sequence. Global and Planetary Change 1991; 5(1-2):69-82.
[13] Berner RA, Petsch ST. The Sulfur Cycle and Atmospheric Oxygen. Science. 2000; 282(5393):1426-7.
[14] Tennessen JA, et al. Evolution and functional impact of rare coding variation from deep sequencing of human exomes. Science. 2012 Jul 6;337(6090):64-9.
[15] Fu W, et al. Analysis of 6,515 exomes reveals the recent origin of most human protein-coding variants. Nature. 2013 Jan 10;493(7431):216-20.
[16] Editorial. Cavernas. Revista Criacionista 2002; 31(67):5-12.
[17] von Däniken E. Eram os deuses astronautas? 6. Ed. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2011.
[18] McAuliffe K. If Modern Humans Are So Smart, Why Are Our Brains Shrinking? Discover Magazine, 2010. Disponível em: http://goo.gl/K4t7s8
[19] Horvath G, Farkas E, Boncz I, Blaho M, Kriska G.  Cavemen were better at depicting quadruped walking than modern artists: erroneous walking illustrations in the fine arts from prehistory to today. PLoS One. 2012;7(12):e49786.
[20] Sadier B, Delannoy JJ, Benedetti L, Bourlès  DL, Jaillet S, Geneste JM, Lebatard AE,  Arnold M. Further constraints on the Chauvet cave artwork elaboration. Proc Natl Acad Sci U S A. 2012 May 22; 109(21): 8002-8006.
[21] Brown KS, et al. An early and enduring advanced technology originating 71,000 years ago in South Africa. Nature. 2012 Nov 22;491(7425):590-3.
[22] Homens da Caverna eram pensadores mais avançados do que se achava. Portal Terra (08/11/2012). Disponível em: http://goo.gl/0G2sB6
[23] McBrearty S. Sharpening the mind. Nature. 2012 Nov 22;491(7425):531-2.
[24] Crabtree GR. Our fragile intellect. Part I. Trends in Genetics 2012; 29(1):1-3. http://dx.doi.org/10.1016/j.tig.2012.10.002
[25] Crabtree GR. Our fragile intellect. Part II. Trends in Genetics 2012; 29(1):3-5. http://dx.doi.org/10.1016/j.tig.2012.10.003
[26] Nachman MW, Crowell SL. Estimate of the Mutation Rate per Nucleotide in Humans. Genetics. 2000; 156(1):297-304.
[27] Dolgin E. Human mutation rate revealed. Nature News (27 Ago. 2009). Disponível em: http://www.nature.com/news/2009/090827/full/news.2009.864.html
[28] Lynch M. Rate, molecular spectrum, and consequences of human mutation. Proc Natl Acad Sci U S A. 2010; 107(3):961-8.
[29] Eyre-Walker AKeightley PD. High genomic deleterious mutation rates in hominids. Nature. 1999;397(6717):344-7.
[30] Shabalina SA, Ogurtsov AY, Kondrashov VA, Kondrashov AS. Selective constraint in intergenic regions of human and mouse genomes. Trends Genet. 2001;17(7):373-6.
[31] Keightley PD. Rates and Fitness Consequences of New Mutations in Humans. Genetics. 2012; 190(2):295-304.
[32] Woodley MA, te Nijenhuis J, Murphy R. Were the Victorians cleverer than us? The decline in general intelligence estimated from a meta-analysis of the slowing of simple reaction time. Intelligence. 2013; 41(6):843-850.
[33] Entrevista concedida por Jan te Nijenhuis. People Getting Dumber? Human Intelligence Has Declined Since Victorian Era, Research Suggests. Entrevistadora: Macrina Cooper-White. The Huffington Post, 2013. Disponível em: http://goo.gl/9BUakL
[34] Borges M. Pesquisa indica que a humanidade ficou mais burra. Blog Criacionismo, 2013. Disponível em: http://goo.gl/BG90sU