domingo, agosto 31, 2008

Milhões de pessoas fogem do furacão Gustav

Cerca de dois milhões de pessoas deixaram neste domingo (31) a costa do Estado da Louisiana, em razão da aproximação do furacão Gustav, que deve chegar à região nas próximas horas. Para meteorologistas, o fenômeno deve chegar com menos força que o Katrina, em 2005. Bobby Jindal, o governador da Louisiana afirma que cerca de 1,9 milhão de pessoas deixaram as áreas costeiras e apenas 10 mil ficaram para trás, em Nova Orleans. "Essa ainda é uma tempestade muito perigosa", afirmou Jindal. "Não é tarde para a retirada. Eu recomendo fortemente que vocês façam isso."

A indústria de petróleo do Texas a Nova Orleans já é afetada pelo furacão, a medida que teve que suspender a operação de praticamente todas as plataformas marítimas e muitas refinarias - a região é responsável por 25% do fornecimento de petróleo dos Estados Unidos.

Longas filas de carros e ônibus se formaram nas imediações de Nova Orleans, depois que o prefeito Ray Nagin, determinou a retirada obrigatória da cidade, que tem praticamente 240 mil habitantes. Ele afirmou que qualquer pessoa que se negue a sair estará em extremo perigo.

O prefeito determinou um toque de recolher e prometeu mandar para a prisão saqueadores que possivelmente queiram se aproveitar da situação.

Por enquanto, a retirada da população está acontecendo normalmente, apesar da lentidão do trânsito e do fechamento de algumas rodovias. Mais de 11,5 milhões de pessoas em cinco Estados podem sentir o impacto da tempestade. ...

Gustav perdeu força, para uma ainda perigosa categoria três, ao passar por Cuba. Especialistas indicam que o Gustav deve chegar a Nova Orleans por volta do meio-dia desta segunda-feira. Mas não deve mais atingir o grau quatro na escala Saffir-Simpson, que vai até cinco, como estava previsto. Os ventos devem atingir uma velocidade de 200 km/h, tornando-o um furacão categoria três afirma o Centro Nacional Americano de Furacões (NHC, na sigla em inglês).

Katrina era um furacão de categoria quatro quando chegou à cidade em 29 de agosto de 2005. Nova Orleans virou um cenário de caos e as pessoas afetadas esperaram por dias a chegada de apoio governamental. O fenômeno matou mais de 1.500 pessoas em cinco Estados, deixou 80% da cidade alagada e custou US$ 80 bilhões. ...

(Folha Online)

sábado, agosto 30, 2008

Hollywood vai lançar heróis mais "obscuros"

Em Hollywood, às vezes US$ 390 milhões de bilheteria não são suficientes, haja vista que os estúdios Warner Bros decidiu engavetar os roteiros para uma continuação de "Superman", lançado em 2006, e iniciar do zero uma nova saga do herói. "'Superman' não funcionou como filme da maneira como queríamos", disse Jeff Robinov, presidente da Warner Bros, ao jornal Wall Street Journal. "Se 'Superman' tivesse funcionado em 2006, teríamos outro filme para esta Natal ou para o de 2009". ... [E por que não deu certo? Eis a resposta:] Na prática, isso quer dizer que o personagem, nascido nos quadrinhos, percorrerá o mesmo caminho de franquias como a do Batman ou a do Hulk, cujas novas obras começaram a ser construídas sem tomar como ponto de partida os filmes anteriormente levados à grande tela.

Hulk, por exemplo, renasceu em junho passado com muito mais ação [leia-se violência] e com uma equipe e um enfoque totalmente diferentes do longa dirigido pelo taiuanês Ang Lee em 2003, produção que foi recebida com certo desdém pelos fãs do personagem de Stan Lee e Jack Kirby.

Mas o espelho para o qual Robinov olha quando imagina relançar as aventuras do Super-Homem é, sem dúvida, "O Cavaleiro das Trevas", o segundo filme dirigido por Christopher Nolan sobre o Homem-Morcego, cuja profundidade psicológica encantou o público. ...

"Vamos tentar tornar os personagens mais obscuros", declarou Robinov. "O objetivo a longo prazo do estúdio é tirar vantagem do mercado global através de filmes de grande orçamento que requerem um maior compromisso." ...

Os estúdios Marvel, que concorrem com a Warner Bros, também não ficarão de braços cruzados, e, depois do sucesso de "Homem de Ferro", antes de 2011 lançarão uma seqüência dessa produção, além de "Os Vingadores", "Capitão América" e "Thor".

Por sua vez, Robinov confirmou que entre os planos da Warner Bros estão um novo longa sobre Batman e o lançamento de aventuras com Flash Gordon, Lanterna Verde e Mulher Maravilha, embora o anúncio oficial só esteveja prevista para setembro.

(G1 Notícias)

Nota: A tendência comum da valorização do anti-herói (Spawn, Hellboy, etc.), tão comum nos quadrinhos, está invadindo também os filmes. Até os heróis "do bem" como o Superman não estão escapando dessa tendência. As pessoas estão preferindo personagens mais sombrios e violentos. Pena.[MB]

sexta-feira, agosto 29, 2008

Galileu tenta reconstruir Jesus (do jeito dela)

Tava demorando... Volta e meia, como os leitores deste blog bem sabem, as ditas revistas de divulgação científica populares do nosso país se aventuram por um terreno que não lhes pertence e dão lá seus escorregões. No afã de produzir capas vendedoras, não passa um ano sem que se aproveitem da pessoa de Jesus ou do cristianismo para produzir matérias tremendamente especulativas e tendenciosas.

Em sua edição de setembro, a revista Galileu trouxe como matéria principal a reportagem “CSI de Jesus”. Desta vez, foram mais amenos do que quando publicaram a matéria “Distorceram as palavras de Jesus?” (a qual comentei na postagem Galileu distorce fatos sobre a Bíblia”, mas esse novo texto também tem lá suas incoerências e inverdades.

Logo de cara, a matéria afirma que Jesus “não tem data de nascimento ou morte registrada com segurança... Não deixou nada escrito de próprio punho (há até quem argumente que ele provavelmente era analfabeto). Não restou um único artefato do qual se possa dizer com certeza que pertenceu a ele. Os relatos de seus seguidores, escritos entre duas e seis décadas após a morte na cruz, falam com riqueza de detalhes de um período curtíssimo de sua vida adulta, elencando seus atos e ensinamentos, mas nos deixam no escuro sobre a maior parte de sua infância e adolescência, suas angústias pessoais e seu relacionamento com amigos e familiares”.

A verdade é que, para os que estudam a fundo a vida de Jesus e a cronologia bíblica, a data da morte do Mestre é bem conhecida (confira aqui). Quanto à alegação de que Ele poderia ser analfabeto, basta lembrar que Jesus escreveu com Seu dedo na areia os pecados dos homens que queriam apedrejar a mulher adúltera. Se esse pessoal lesse a Bíblia com mais atenção... Outra coisa: é bom lembrar que os evangelhos não são a biografia completa de Jesus (João mesmo admite isso no fim do seu evangelho [cf. João 21:25]). Eles tratam do que é essencial à salvação de todo aquele que aceita Jesus, portanto, focalizam o nascimento sobrenatural, o ministério, a morte e a ressurreição de Cristo.

A matéria de Galileu prossegue: “O chamado Jesus histórico é uma figura humilde, que coloca sua mensagem – o anúncio da chegada do Reino de Deus – acima de qualquer preocupação com sua própria importância. Não se comporta como uma entidade superpoderosa ou onisciente. E coloca em primeiro lugar a história e o destino do povo de Israel, ao qual pertence. É um Jesus que pode ajudar os cristãos a repensarem a origem de sua própria fé – mas dificilmente é uma ameaça a ela, a menos que se acredite que todo versículo dos Evangelhos é verdade literal, como se fosse um filme do que aconteceu no ano 30 d.C.”

Jesus Se tornou humilde, sim, para alcançar os humildes. Velou Sua divindade para andar com os pecadores e oferecer-lhes a salvação. Com isso, revelou o caráter misericordioso do Deus todo-poderoso. A afirmação de que os evangelhos não se tratam de “verdade literal” fica por conta da Galileu, que, no entanto, não pode provar isso.

Um dos principais entrevistados na matéria de Galileu é (pra variar) André Leonardo Chevitarese, historiador da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Chevitarese, figura sempre presente nesse tipo de reportagem (será que é porque diz o que esse tipo de mídia quer ouvir?), afirma: “Em todo o mundo romano, o costume era abandonar o cadáver na cruz, para ser comido por abutres ou cães.” Ele também diz ser suspeita a figura de José de Arimatéia, judeu rico e simpatizante de Jesus que teria obtido Seu corpo e organizado o sepultamento, segundo os Evangelhos. “Camponeses como os seguidores de Jesus não teriam como se dirigir a Pilatos para exigir o corpo. Assim, os evangelistas têm o problema de explicar o sepultamento de Jesus e usam a figura de Arimatéia, que praticamente cai de pára-quedas na narrativa”, diz o historiador, que não explica o fato de que seria muito fácil para os judeus da época e mesmo para Pilatos contradizerem o relato dos discípulos, caso Arimatéia fosse mesmo um mito. Os evangelistas teriam armado uma armadilha para si mesmos e o cristianismo seria facilmente desmentido em sua origem. Mas não foi o que aconteceu porque ninguém pôde desmentir o relato histórico das testemunhas oculares de Jesus.

Aspectos positivos da reportagem

Como disse no início, essa reportagem é um tanto mais amena que outras publicadas pela Galileu e tem aspectos positivos, como a divulgação do registro de um crucificado judeu que teve um sepultamento digno – Yehohanan (João), filho de Hagakol, cujo ossuário foi descoberto por arqueólogos israelenses em 1968 (detalhe: o osso do calcanhar de Yehohanan ainda continha o cravo usado para pregá-lo na cruz). Essa descoberta mostra que era perfeitamente possível que Jesus também tivesse um sepultamento digno, apesar de Sua origem humilde e da morte humilhante na cruz.

Outra admissão interessante, nem sempre vista nesse tipo de reportagem: “Viciados em teorias da conspiração adoram a idéia: Jesus nunca teria existido. As histórias sobre sua vida, morte e ressurreição seriam mera colagem de mitos egípcios e babilônicos, com pitadas do Antigo Testamento para dar um saborzinho judaico. Na prática, Cristo não seria mais real do que Osíris ou Baal, deuses mitológicos que também morreram e ressuscitaram. No entanto, para a esmagadora maioria dos estudiosos, sejam eles homens de fé ou ateus, a tese não passa de bobagem. A figura de Jesus pode até ter ‘atraído’ elementos de mitos antigos para sua história, mas temos uma quantidade razoável de informações historicamente confiáveis, englobando pistas de fontes cristãs, judaicas e pagãs.

“Começamos, no Novo Testamento, com as cartas de São Paulo, escritas entre 20 e 30 anos após a crucificação do pregador de Nazaré. Cerca de 40 anos depois da morte de Jesus, surge o Evangelho de Marcos, o mais antigo da Bíblia; antes que o século 1 terminasse, os demais Evangelhos alcançaram a forma que conhecemos hoje. A distância temporal, em todos esses casos, é mais ou menos a mesma que separava o historiador Heródoto da época da guerra entre gregos e persas, que aconteceu entre 490 a.C. e 480 a.C. – e ninguém sai por aí dizendo que Heródoto inventou Leônidas, o rei casca-grossa de Esparta.

“Outra fonte crucial é Flávio Josefo, autor de Antiguidades Judaicas, também do século 1. O texto sofreu interferências de copistas cristãos, mas é possível determinar sua forma original, bastante neutra: Jesus seria um ‘mestre’, responsável por ‘feitos extraordinários’, crucificado a mando de Pilatos, cujos seguidores ainda existiam, apesar disso. Duas décadas depois, o historiador romano Tácito conta a mesma história básica, precisando que Jesus tinha morrido na época de Pilatos e do imperador Tibério (duas referências que batem com o Novo Testamento). Esses dados mostram duas coisas: a historicidade de Jesus e também sua relativa desimportância diante das autoridades romanas e judaicas, como um profeta marginal num canto remoto e pobre do Império Romano.”

A matéria cita também John P. Meier, professor da Universidade Notre Dame (EUA) e autor série de livros $sobre o Jesus histórico. Méier diz que Jesus resume e mistura o espiritual, o social e o político na frase-chave de Seu anúncio profético: o “Reino de Deus”. “[Jesus] não estava pregando a reforma do mundo; estava pregando o fim do mundo”, escreve o autor.

Outra escorregada

A certa altura, o texto da Galileu afirma que “é bem mais complicado afirmar se, durante sua vida terrena, Cristo considerava ser Deus encarnado, como defende o dogma cristão, ou mesmo se ele tinha consciência plena de que sua morte na cruz serviria para redimir a humanidade. ... Como judeu, seria impensável para Jesus se colocar publicamente como igual a Deus, afirma Luiz Felipe Ribeiro.”

De fato, seria “impensável”, tanto é que, quando Jesus afirma ser o “Eu Sou” (cf. Êxodo 3:14), os judeus tentam apedrejá-lo por blasfêmia (cf. João 8:56-59). Em diversas ocasiões Jesus deixou claro ou deu a entender que era divino. Por exemplo: “Eu e o Pai somos um” (João 10:30); “Glorifica-Me, ó Pai, contigo mesmo, com a glória que Eu tive junto de Ti, antes que houvesse mundo” (João 17:5). Ele também perdoava pecados, um atributo divino, segundo a Bíblia. Se isso não é afirmação de divindade, o que é?

Apócrifos: muito barulho por nada

A reportagem termina com alguns comentários interessantes sobre textos que a própria mídia já usou muito para vender e especular: os apócrifos. “Para especialistas, esses escritos perdem importância quando se constata que eles tiveram como base os Evangelhos canônicos e seguiram o gnosticismo. ... Há pesquisadores que vasculham esses livros, muitos dos quais em estado fragmentário, em busca de informações valiosas que não teriam sido preservadas (ou teriam sido deliberadamente varridas para debaixo do tapete) pelos evangelistas oficiais. O esforço vale a pena? O mais provável é que não. ... O argumento de Meier é simples: é praticamente impossível demonstrar que os evangelhos apócrifos mais populares entre os historiadores, como o de Tomás e o de Pedro, não tenham, na verdade, usado como base os Evangelhos canônicos, os bons e velhos Mateus, Marcos, Lucas e João. Estruturas literárias básicas, como a ordem dos ditos de Jesus, parecem seguir de perto os textos canônicos. Além disso, a datação dos apócrifos aponta para uma composição décadas ou até séculos depois dos Evangelhos oficiais. E há alguns detalhes teológicos suspeitos nas narrativas apócrifas: muitos deles seguem o chamado gnosticismo, uma vertente esotérica do cristianismo primitivo que considerava o mundo material uma esfera corrompida e naturalmente ruim da existência e pregava o acesso a um conhecimento secreto para se libertar dele. A importância do apóstolo Tomé ou de Maria Madalena nos textos gnósticos provavelmente não tem a ver com o papel histórico desses personagens, mas com o uso deles como contraponto aos sucessores de apóstolos como Pedro e Paulo, principais líderes das comunidades cristãs após a morte de Jesus.”

CSI (sigla usada no título da matéria da Galileu), em inglês, significa Crime Scene Investigation. Creio que o maior “crime” da mídia tem sido o de não reconhecer – embora de vez em quando esbarrem nos fatos – que Jesus foi mais do que um simples judeu marginal: Ele é o Salvador do mundo, que mudou a História e quer fazer mais do que isso – quer mudar o coração das pessoas com Sua mensagem de esperança.

Michelson Borges

Leia também: “Deus consciente ou mero sábio?”

quinta-feira, agosto 28, 2008

A fé vai pra gaveta

No pensamento contemporâneo, a religiosidade é um elemento da vida responsável pelo consolo (apoio psicológico), esperança (na acepção de crença em algo futuro) e fundamento místico (provendo uma ligação com os aspectos irracionais, não-empíricos da existência). Essa maneira de encarar a religião a torna distante de algo verificável, que possa ser entendido em termos de certo ou errado; não há uma crença melhor, ou mais correta. Há simplesmente um determinado tipo de credo que sirva melhor a um paladar e não a outro. Cada vez mais aparecem exemplos que comprovam haver um reducionismo no papel da religião para o homem do século 21. Foi-se o tempo em que a herança judaico-cristã formava a base do pensamento social e da própria cultura.

A religião ganhou a sua própria gaveta – ela não passa de uma pequena esfera incapaz de influenciar a vida como um todo. Quase não se pode apresentar o que se crê em pontos lógicos, porque a crença é difusa, ilógica, utilitária e circunstancial. Tão enfraquecida como está, não é à toa que a religião seja relegada a um papel sem importância, e apenas em nível particular para a maioria das pessoas.

Eventualmente as pessoas se unem em passeatas ou fóruns religiosos, eventos de caráter humanitário capazes de convergir elementos e indivíduos oriundos de culturas religiosas diferentes em uma massa guiada pelos mesmos objetivos.

Assim, enquanto crenças tradicionais perdem seus referenciais na mente de indivíduos no século 21, torna-se mais comum que ocorram esforços no sentido de reunir todos sobre uma fé comum, na qual crenças tradicionais são diluídas em alguns poucos valores aceitos por quase todos: amor/tolerância pelos diferentes, concepção de Deus como sendo Amor (mas sem o senso de Justiça que a Bíblia Lhe atribui), fazer bem ao próximo (causas humanitárias) e a busca da satisfação imediata de problemas de várias áreas da vida através da comunhão mística com Deus (proporcionada pela forma contemporânea de culto, com seus apelos emocionais, discursos subjetivos e o emprego de música popular com a qual as pessoas se identifiquem).

Dentro do quadro descrito acima, não choca mais que algumas pessoas afirmem crer em Deus, conquanto não pautem sua conduta pessoal pelo entendimento tradicional do Cristianismo. Quero destacar um caso que exemplifica a premissa pós-moderna da fé como sendo independente da conduta da pessoa.

Recentemente, a cantora Katy Perry, 23 anos, passou a ser uma das mais populares cantoras de sua geração. A moça, filha de pastor, começou como cantora gospel, mas já declarou em uma de suas músicas sentir-se atraída por uma garota (a canção chama-se “I Kissed a Girl”, ou “Eu beijei uma garota”).

A própria Perry afirma: "Já cantei músicas gospel, sim. Tenho fé, acredito em Deus, acredito que haja algo muito maior do que nós, mas minha perspectiva mudou um pouco."

Katy Perry não é a única que mudou de perspectiva. O engavetamento da fé é um processo admitido por muitos cristãos, em detrimento da perspectiva bíblica. Resta saber até quanto tempo mais uma fé soft se sustentará, a despeito das contradições que possui.

(Blog Questão de Confiança)

Manuscritos do Mar Morto na íntegra na internet

Os textos mais importantes e polêmicos da época de Jesus vão ser disponibilizados na íntegra na internet, informa o jornal americano New York Times. Trata-se da coleção completa dos chamados Manuscritos do Mar Morto, textos encontrados em Israel que datam do século 3 a.C. ao século 1 d.C. e traçam um retrato complexo e fascinante do judaísmo na época de Cristo. O Conselho de Antigüidades de Israel começou nesta semana a digitalizar os 15 mil fragmentos de texto, e a expectativa é colocá-los de graça na web nos próximos anos. O trabalho é uma ferramenta essencial para a preservação desse legado histórico, porque os Manuscritos do Mar Morto só sobreviveram durante mais de 2.000 anos porque foram armazenados em condições especiais nas cavernas da região desértica de Qumran, na Cisjordânia. Mesmo com tentativas laboratoriais de manter os textos em situação semelhante, há exemplos de letras desaparecendo e outras ameaças à integridade física dos rolos.

O trabalho de digitalização dos manuscritos está sendo liderado por Greg Bearman, pesquisador aposentado do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa. Bearman está usando uma câmera especial que consegue recuperar trechos ilegíveis da antiga escrita hebraica e aramaica. O texto de todos os manuscritos (alguns equivalentes a livros inteiros, outros correspondentes a uma frase ou até uma única palavra) já foi publicado, mas a idéia é que especialistas e leigos do mundo todo possam ter acesso aos originais e consigam examiná-los virtualmente de vários ângulos.

Aparentemente, os textos de Qumran, como são conhecidos, eram exclusivamente judaicos. Foram encontrados exemplares (inteiros ou fragmentados) de quase todos os livros da Bíblia hebraica (equivalente ao Antigo Testamento protestante), com exceção do livro de Ester e do Primeiro Livro das Crônicas. Apesar da existência de variantes, os Manuscritos do Mar Morto têm bom grau de concordância com o texto bíblico que chegou até nós, o que mostra a existência de uma tradição textual contínua entre as Escrituras que podemos ler hoje e as que existiam cerca de 200 anos antes do nascimento de Jesus. ...

(G1 Notícias)

Leia também: "Manuscritos do Mar Morto"

Confirmado o poder das mensagens subliminares

As mensagens subliminares podem, de fato, influenciar as escolhas e decisões individuais, de acordo com um estudo publicado nesta quinta-feira na revista especializada norte-americana Neuron. O trabalho realizado por Mathias Pessiglione, da Unidade "Motivação, cérebro e comportamento" do Inserm (Instituto Nacional de Pesquisa Médica), mostra que é possível, graças a um sistema de recompensas, condicionar a escolha dos indivíduos, com a ajuda de desenhos abstratos, não percebidos de maneira consciente.

No fim da década de 50, publicitários norte-americanos disseram ter aumentado suas vendas ao veicular por meio de flashes, sem o conhecimento dos telespectadores, mensagens subliminares de "coma pipoca". "Nunca provamos, até então, que os efeitos subliminares têm uma influência nas escolhas e decisões voluntárias dos indivíduos", disse Mathias Pessiglione. Ele destacou, contudo, que "a publicidade mostrando diretamente o produto é mais eficaz".

Em contrapartida, o pesquisador vê "um uso para esclarecer algumas patologias, como a síndrome de Gilles de la Tourette [transtorno crônico de tiques] ou o mal de Parkinson", onde os mecanismos de aprendizagem inconscientes são perturbados.

Em um grupo de 20 britânicos, com idades entre 18 e 39 anos, os pesquisadores utilizaram um sistema de recompensas/punições monetárias para condicionar sua escolha. A cada teste, um índice escondido (um desenho abstrato) foi exposto, rapidamente, como um flash, para que os voluntários não o percebessem de forma consciente.

Os voluntários deveriam pressionar, ou não, um botão de resposta. Se não se mexessem, não ganhariam nada. Se apertassem o botão, poderiam ganhar, ou perder, um euro. Na realidade, um dos índices expostos de maneira subliminar anunciava a recompensa (1 euro, para quem apertasse o botão) e o outro, a punição (perda de 1 euro, se apertassem o botão). Ao longo do teste, os voluntários apertavam mais - e de maneira bastante significativa - em resposta ao índice que anunciava a recompensa.

Graças às técnicas de imagem por ressonância magnética (IRM), Mathias Pessiglione e seus colegas identificaram alguns componentes do circuito cerebral que operam o condicionamento subliminar.

O "aprendizado instrumental" (com uma ação) é, assim, um processo mental que pode acontecer sem nosso conhecimento, afirma o estudo.

(Folha Online)

Amamentar pode proteger contra câncer de mama

Alguns tipos de câncer de mama parecem ser mais raros entre as mulheres que amamentaram seus filhos por pelo menos seis meses, segundo estudo publicado na revista especializada Cancer. Pesquisadores americanos avaliaram cerca de 2,5 mil mulheres com idade entre 55 e 79 anos, entre as quais 1.140 que já haviam apresentado câncer de mama. E descobriram que amamentar por pelo menos seis meses é mais eficaz na proteção contra o câncer de mama triplo-negativo, que seria duas vezes mais comum em mulheres que não amamentaram. Os resultados também mostraram que o câncer sensível ao estrogênio era 20% menos comum entre as mulheres que amamentavam por seis meses ou mais. Ainda não estão claras as razões, e os autores destacam que um estudo observacional, como esse, não prova a relação causa-efeito.

(WebMD)

terça-feira, agosto 26, 2008

Felicidade diminui risco de câncer de mama

Uma pesquisa realizada por especialistas israelenses sugere que se sentir feliz e ter uma atitude positiva diante da vida pode ser uma arma eficaz na prevenção contra o câncer de mama. A equipe, da Universidade de Ben-Gurion, afirma que mulheres que se dizem felizes têm menos chances de desenvolver a doença, enquanto as que viveram eventos traumáticos estão mais vulneráveis a desenvolver o tumor. Os especialistas entrevistaram mais de 250 mulheres com idades entre 25 e 45 anos, diagnosticadas com câncer de mama.

As pacientes responderam a perguntas sobre sua atitude em relação à vida e se tinham passado por episódios tristes, como a morte de um membro da família ou outro acontecimento traumático. Os resultados foram comparados com as de um outro grupo de voluntárias saudáveis.

Os cientistas observaram que as mulheres que se declararam mais otimistas tinham 25% menos chances de apresentar câncer de mama. “Descobrirmos que o sentimento de felicidade e otimismo tem um efeito de proteção”, disseram os pesquisadores.

Ainda segundo eles, um único evento traumático não influencia no desenvolvimento da doença, mas duas ou mais crises pessoais aumentam os riscos da doença em dois terços.

Os cientistas esclareceram que o fato de as entrevistas terem ocorrido pouco depois do diagnóstico pode ter levado as pacientes a darem respostas “mais nostálgicas e negativas sobre o seu passado”. Mas insistiram que vivenciar mais de um evento traumático é um fator de risco para o câncer de mama.

Os especialistas disseram, entretanto, que a ligação entre o estado mental e os sistemas imunológico e hormonal ainda não é clara e que outros estudos são necessários.

Pesquisas anteriores sugeriram que o estresse pode aumentar os níveis de estrogênio em mulheres, um hormônio que pode desencadear e alimentar o câncer.

(BBC Brasil)

Nota: "O coração alegre é bom remédio" (Provérbios 17:22).

Terremoto no Peru é sentido no Norte do Brasil

Moradores de cidades no Norte do País, especialmente Cruzeiro do Sul e Rio Branco, no Acre, e Porto Velho, em Rondônia, sentiram um tremor de terra na tarde desta terça-feira (26). Os tremores foram reflexos de um terremoto no Peru. O chefe do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), Jorge Sand França, afirmou ao G1 que o abalo teve epicentro localizado na região de Pucallpa, perto da fronteira entre Peru e Brasil, e magnitude de 6,3 graus na escala Richter. A região de Pucallpa está localizada a cerca de 200 quilômetros de Cruzeiro do Sul. Em Rio Branco, o abalo provocou pânico. Servidores da Secretaria Estadual de Saúde tiveram que deixar o prédio do orgão às pressas, porque sentiram o edifício tremer. Não há informações sobre danos materiais ou vítimas.

Em Porto Velho, funcionários também abandonaram o prédio do Núcleo de Administração da Justiça de Rondônia. Após uma vistoria, a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros decidiram interditar temporariamente o edifício até que seja feita uma avaliação de toda a estrutura. Segundo França, os abalos costumam ser sentidos em prédios altos. Novos tremores podem acontecer na região.

"Após um grande terremoto, geralmente é comum a ocorrencia de tremores secundários. Em municípios localizados perto da fronteira, como Cruzeiro do Sul, a probabilidade de abalos secundários é maior", explicou França.

(G1 Notícias)

Sete fumantes passivos morrem por dia no País

Pelo menos sete brasileiros que não fumam morrem a cada dia por doenças provocadas pela exposição passiva à fumaça do tabaco. De acordo com o estudo "Mortalidade atribuível ao tabagismo passivo na população urbana no Brasil", realizado pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca) e pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), pelo menos 2.655 não-fumantes morrem a cada ano no Brasil. É a primeira vez que um estudo desse gênero é realizado no País. Segundo a pesquisadora Valeska Figueiredo, "esse número é conservador" porque a pesquisa estimou a proporção de óbitos considerando apenas as três principais doenças relacionadas ao tabagismo passivo: câncer de pulmão, doenças isquêmicas do coração e acidentes vasculares cerebrais. O objeto do estudo foi a população adulta, acima de 35 anos, e de 15 capitais do Brasil.

Ficaram de fora dessa estimativa pelo menos 40% dos óbitos, que acontecem na área rural, e outras causas de morte possivelmente associadas ao fumo passivo, como a síndrome da morte súbita da infância e doenças respiratórias crônicas. Também não entraram na pesquisa os abortos provocados pelo tabagismo e morte súbita na infância.

(O Estado de S. Paulo)

Astrônomos descobrem grupo de galáxias gigante

O observatório astronômico europeu XMM-Newton encontrou o maior grupo de galáxias jamais visto no universo, uma descoberta que pode confirmar a existência da energia negra, anunciou nesta segunda-feira em um comunicado a ESA (agência espacial européia). Batizado 2XMM J083026+524133, o grupo deve conter "uma massa correspondente a mil galáxias" e foi observado quando o XMM-Newton, que tem como missão estabelecer um catálogo de fontes cósmicas emissoras de raios X (planetas, cometas, quasares etc), estava focalizado outro objeto. O J083026+524133 foi visto porque forma uma mancha muito brilhante. Observado em seguida com um potente telescópio de Arizona, se revelou um grupo de galáxias com mil vezes a massa de nossa galáxia, a Via Láctea.

"A presença desse grupo confirma a existência de um elemento misterioso, a energia negra, suposta responsável pela aceleração da expansão do Universo", destacou em um comunicado Georg Lamer, do Instituto de astrofísica de Potsdam (Alemanha)
Segundo os astrofísicos, a maior parte do grupo situado a 7,7 bilhões de anos-luz seria formada de um gás a temperatura de 100 milhões de graus Celsius.

(Folha Online)

Colaboração: Thiago Leal

Nota: "Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das Suas mãos" (Salmo 19:1).

Efeitos do álcool na sociedade e na mulher

Durante toda a história da humanidade há registros do consumo de álcool. Festas regadas a vinho, barris de cerveja e bebedeiras acontecem há séculos, mas talvez seja hoje o período em que melhor podemos ver e sentir as conseqüências desses abusos. O hábito de ingerir álcool tornou-se um grande problema da sociedade moderna, que leva ao mercado maiores quantidade e variedade de bebidas. Graças ao aumento da produção e menores custos, o consumo cresceu muito, sem que houvesse conscientização da falta de limites do ato de beber. Dia após dia o número de dependentes é maior, bem como o de acidentes causados pela embriaguez. A ingestão de álcool diminui a coordenação motora e os reflexos, estando intimamente ligada à alta mortalidade por causas externas. O beber contínuo e excessivo é responsável por complicações gastrointestinais, diarréias crônicas, infiltração gordurosa do fígado, cirrose hepática e câncer, entre outras complicações sobre todo o organismo.

Os fatores que podem levar ao alcoolismo podem ser de origem biológica, psicológica ou sociocultural. Apesar de a maior parte das pessoas saber que ingestão excessiva de bebidas alcoólicas tem efeitos graves no organismo, é cada vez maior o número de ocorrências de brigas, espancamentos, acidentes automotivos, atos de vandalismo e internações, absenteísmo ao trabalho, além de mortes prematuras em plena idade produtiva.

Tomar umas e outras é uma das mais importantes causas de acidentes evitáveis e mortes no trânsito. Os dependentes do álcool têm propensão ao desenvolvimento de doenças no fígado, no aparelho digestivo, no sistema cardiovascular e aos casos de polineurite alcoólica, sendo que, nos jovens, cujo organismo ainda encontra-se em fase de desenvolvimento, e no sexo feminino, mais propício ao alcoolismo, as conseqüências são bem mais graves.

Os efeitos do álcool não divergem significativamente no organismo do homem e da mulher, contudo há uma ampla diferenciação na metabolização no corpo feminino, o que faz com que elas apresentem sinais de embriaguez mais rapidamente.

Há distinção entre os sexos, pois o organismo feminino possui maior proporção de tecido gorduroso, sofre com variações do álcool no decorrer do ciclo menstrual e por diferenças enzimáticas, o que gera a maior propensão de a mulher tornar-se alcoólica.

Além das questões relacionadas à saúde orgânica, as mulheres sofrem mais psicologicamente, já que, além dos problemas comuns aos dependentes, elas ainda se vêem obrigadas a lidar com grande preconceito da sociedade. Hoje sabemos que até mesmo outros dependentes agem de forma preconceituosa para com as mulheres dependentes de álcool, repetindo em grupos de tratamento mistos os mesmos preconceitos e violência verbal que elas sofrem em casa, provenientes de pessoas que muitas vezes fazem uso até mais pesado de álcool.

“Por questões metabólicas, a mulher é mais suscetível ao alcoolismo”, afirma o Dr. Sérgio Seibel, ex-presidente do Comitê Multidisciplinar de Estudos em Dependência do Álcool e outras Drogas da Associação Paulista de Medicina (APM). “Além de superar as questões comuns aos alcoólicos, elas enfrentam enorme preconceito, padecem com o medo e a vergonha.” ...

Lei Seca - Segundo levantamento do Ministério da Saúde, a “Lei Seca” reduziu as operações de resgate em boa parte do país. O número de atendimentos caiu, em média, 24%. A nova Lei 11.705, de 20 de junho, altera o Código de Trânsito Brasileiro e proíbe o consumo de qualquer quantidade de bebida alcoólica por condutores de veículos. Quem for pego dirigindo depois de beber terá de pagar multa de R$ 957,70, perderá o direito de dirigir por um ano e, conforme a quantidade de álcool registrada no teste do bafômetro, corre o risco de responder por crime, com pena de até 3 anos de detenção. A fiança chega a R$ 1.200. Segundo o Dr. Jorge Curi, presidente da APM, proibir motoristas de ingerir qualquer quantidade de bebida alcoólica é acima de tudo um ato de amor à vida. “A nova lei merece total apoio da classe médica e também de toda a Sociedade. Neste momento, devemos comemorar as vidas preservadas a cada dia e torcer para que outras iniciativas semelhantes sejam adotadas no País.”

(Assessoria de Imprensa, Acontece Comunicação e Notícias)

segunda-feira, agosto 25, 2008

A involução da moral

A Justiça da Nova Zelândia permitiu [na] terça-feira (19) a realização do evento “Boobs on Bikes”, em que atrizes pornôs andam de moto exibindo os seios. O passeio marcado para [a] quarta-feira (20) é parte da feira Erotica Expo e será realizado na principal rua de Auckland. A prefeitura dessa cidade tentou impedir a parada, dizendo que ela vai contra uma lei que proíbe eventos públicos “ultrajantes”. Para a juíza Nicola Mathers, no entanto, o fato de esse mesmo evento ter reunido 80 mil no ano passado significa que muitos não concordam com a crítica. Segundo a agência de notícias France Presse, a juíza disse não ter se convencido de que possa ser ultrajante um passeio cheio de mulheres exibindo os seios. Ela afirmou que sua decisão foi baseada na lei, e não na moral.

O evento é organizado pelo “barão da pornografia” Steve Crow, que ameaçou realizar o passeio de motos com ou sem a autorização da prefeitura.

(G1 Notícias)

Colaboração: Fernando Machado

Nota: É preocupante perceber como uma magistrada se deixa levar pela posição de uma "maioria", eximindo-se de julgar se dado comportamento é imoral ou não. É mais uma amostra do caminho pelo qual a humanidade enveredou e uma evidência de que o declínio moral é um sinal dos tempos (cf. 2 Timóteo 3).[MB]

Pais ignorantes, filhos que abusam das drogas

Pais que falham em monitorar as atividades de seus filhos em idade escolar e deixam medicamentos controlados em locais de fácil acesso são grandes contribuintes para o abuso de drogas juvenil, de acordo com uma nova pesquisa. O relatório é baseado numa pesquisa que olha para os “pais problema” – que facilitam que seus filhos adolescentes fumem, bebam álcool ou usem drogas ilegais e medicamentos porque não sabem onde seus filhos estão durantes as noites dos dias da semana – falham em deixar os medicamentos controlados fora do alcance e não falam sobre os perigos do abuso de drogas e do álcool. [Leia mais]

domingo, agosto 24, 2008

Vai faltar água

"A água é o petróleo do século 21", disse o executivo-chefe da empresa química Dow, Andrew Liveris. Assim como o petróleo, a água é um lubrificante importante da economia global, e sua oferta - pelo menos a da água potável - também vem sofrendo enorme pressão. Isso se deve ao crescimento da população mundial e a uma classe média emergente na Ásia, que demanda outro padrão de utilização da água. O Goldman Sachs estima que o consumo mundial esteja duplicando a cada 20 anos. Segundo o banco, trata-se de um ritmo de crescimento insustentável. A água, ao contrário do petróleo, não tem substituto. Além do setor agrícola, muitos outros produtos e serviços também dependem desse recurso, como é o caso da geração de energia. O banco JPMorgan calcula que cinco gigantes dos setores de alimentos e bebidas - Nestlé, Unilever, Coca-Cola, Anheuser-Busch e Danone - consomem quase 575 bilhões de litros de água por ano. Seria o suficiente para o consumo em um dia de todas as pessoas do planeta.

(Opinião e Notícia)

segunda-feira, agosto 18, 2008

"Darwianismo"

Nos últimos seis anos, o "pastor evangelista" Michael Dowd tem ido de púlpito a púlpito pregando o evangelho - não, não as boas-novas da salvação através de Jesus Cristo, mas da libertação e autoridade através de Charles Darwin. O que isso significa? "[Darwin nos dá] um modo muito mais empírico de falar sobre a natureza humana do que através de histórias como a do pecado original."

Como Yudhijit Bhattacharjee do New York Times escreve: "Explica nossas fragilidades, nossos vícios, nossas infidelidades e outras deficiências morais como subprodutos da adaptação ao longo de bilhões de anos. E isso, [Dowd] diz, tem um efeito potencialmente libertador: não importa a culpa; uma vez que entendamos nossos caminhos pecaminosos, podemos deixá-los e desempenhar um papel consciente na evolução da humanidade."

Considere Bob Miller, um octogenário cuja seqüência de infidelidades, décadas atrás, o levou ao divórcio, exatamente quando estava ascendendo à escada da corporação. Por anos Miller lutou para entender seu comportamento e as forças por trás disso. Então, em uma cruzada, Dowd veio à igreja de Miller. Lá, o Reverendo "explicou" a origem evolutiva do comportamento humano, e "Eureka!": Miller entendeu que a culpada por suas deficiências não era sua natureza caída, mas a testosterona elevada, adquirida por seu sucesso combinado. Liberto do fardo da culpa, Miller reflete: "Eu acho que a mudança física em meu corpo foi tão forte que ela subjugou qualquer ensino moral e crença religiosa que eu tive."

Agora você compreende - a ciência explica! Não é do coração que os maus pensamentos, assassinato, adultério e imoralidade sexual vêm; é de uma lei física trabalhando em nossa química. Você se sente melhor agora?

Agora Michael Dowd está vendendo seu novo livro Thank God for Evolution (Graças a Deus pela Evolução) com "Fatos que são a língua nativa de Deus". É uma boa frase de efeito! Realmente, os fatos são a língua nativa de Deus; fatos como:

• A evolução darwiniana nunca foi observada ou reproduzida mesmo em microorganismos cujos índices explosivos de réplicas garantiriam sua validade.

• Baseado no acaso, em processo não dirigido, a evolução darwiniana não têm força de predição. Conseqüentemente, a evolução darwiniana não tem contribuído para um único avanço tecnológico ou médico desde que ela foi conjeturada há 150 anos.

• A informação, como a encontrada no DNA, é conhecida empiricamente por se originar somente de causas inteligentes.

• Não tem havido tempo suficiente para o gene mais simples, muito menos para o organismo mais simples, desenvolver-se de um processo não inteligente, mesmo que sejam dados todos os ingredientes químicos necessários.

• E também há o fato da entropia, a lei universal da física que leva os sistemas a ir de mal a pior, a menos que afetados por uma aplicação racional de energia.

Mas de algum modo eu duvido que você encontrará esses fatos em Thank God for Evolution. Alguns você achará, de acordo com o autor, que são "muitas das doutrinas centrais do cristianismo - pecado, salvação, o reino de Deus, céu e inferno, Jesus como o caminho de Deus, a verdade e a vida" desempacotadas de "uma forma inegável e realista deste mundo".

Dowd representa isso, ilustrativamente, com um logo na van que ele e sua esposa usam em seu serviço "domiciliar". Ele mostra dois peixes se beijando: um com o nome de "Jesus" e o outro com o nome "Darwin".

Dowd chama sua perspectiva teológica de "criateística". Seria "cre-ateística?" Parece que sim, considerando que sua esposa, a qual ele descreve como sua "companheira de missão" seja uma ateísta.

(ThePoint)

sábado, agosto 16, 2008

Um sistema planejado

Deu na Science Daily de 8 de agosto: "O sistema solar é muito especial, de acordo com uma nova simulação de computador. Os modelos teóricos predominantes para a explicação da formação do sistema solar têm assumido que ele não tem nada de especial. Agora, um novo estudo realizado por astrônomos da Northwestern University, utilizando os dados recentes de 300 exo-planetas descobertos que orbitam outras estrelas, dá uma reviravolta nessa visão."

Leia o restante da matéria (em inglês) aqui.

Nota: "Porque assim diz o Senhor, que criou os céus, o Deus que formou a terra, que a fez e a estabeleceu, não a criando para ser um caos, mas para ser habitada: Eu sou o Senhor e não há outro" (Isaías 45:18).

Design inteligente - só fora daqui

Este 15 de agosto marca o trigésimo-primeiro aniversário do evento (sério) mais próximo que tivemos de contato extraterrestre. Esse evento ficou conhecido como “sinal uau”, do inglês wow signal. Apesar de nunca ter sido dada nenhuma explicação razoável para o fenômeno, infelizmente não podemos dizer que realmente tivemos um contato extraterrestre. Vamos aos fatos.

Em agosto de 1977, o Dr. Jerry Ehman estava em um projeto de busca de sinais de origem extraterrestre, que depois acabou evoluindo para o projeto Seti (procura por inteligência extraterrestre, na sigla em inglês). Ehman estava usando o radiotelescópio da Universidade de Ohio, nos EUA, conhecido como Orelhão (Big Ear, em inglês). Esse radiotelescópio era fixo no chão, de modo que não havia apontamento. Uma parede refletia o sinal do céu em uma superfície parabólica que focava o sinal em dois detectores, chamadas de “cornetas” no jargão. Como todo o aparato era fixo, as cornetas apenas recebiam o sinal daquilo que passava no céu naquele instante, e aí um computador registrava tudo. Como o volume de informações era gigantesco, todo sinal detectado pela antena era codificado em uma seqüência alfanumérica de 6 caracteres, que resumia as suas principais características. A idéia era detectar algo suspeito e depois partir para observações mais precisas em outros telescópios.

No dia 19 de agosto de 1977, o Dr. Ehman estava checando as saídas impressas do computador para ver o que tinha acontecido nos dias anteriores. O volume de dados era gigantesco, de modo que não dava para fazer tudo simultaneamente. Olhando uma das folhas impressas ele notou o seguinte código: “6EQUJ5″ no canal 2 do telescópio. Isso significava que um forte sinal em rádio, com uma banda em freqüência bem estreita vinda de uma região bem pequena do céu (vista na foto que abre esse post), havia sido detectado. Impressionado com isso, Ehman circulou o código e escreveu UAU! (Wow! no original) em vermelho. Ele continuou a análise dos dados dos outros dias, especialmente procurando por uma repetição do sinal, já que a mesma região do céu era observada a cada dia. Mesmo não tendo encontrado uma repetição do sinal, Ehman comunicou a descoberta aos seus colegas John Kraus e Bob Dixon, que passaram a chamá-lo de “sinal Uau!”.

Esse sinal passa por todos os testes para classificá-lo como vindo de uma civilização extraterrestre tentando contato com alguém. Ele era intenso, vinha de uma fonte de pequenas dimensões do céu, tinha uma banda bem estreita e estava na freqüência da linha de 21 cm do hidrogênio, que é a linha sugerida para se procurar por sinais assim.

O hidrogênio é o elemento mais abundante do Universo; se alguém deseja estudar o material mais abundante do Universo, vai ficar observando essa linha. Então, se você quiser que alguém detecte um sinal seu, é melhor escolher uma freqüência em que você sabe que vai ter alguém escutando. A escolha mais natural é a linha de 21 cm do hidrogênio.

Então por que ninguém admite que temos um sinal de vida inteligente fora da Terra desde 1977? Por que esse sinal falha em um único ponto, justamente o mais crítico: ele não se repetiu. Ehman, Kraus e Dixon procuraram uma repetição do sinal por meses a fio usando o mesmo Orelhão e nada.

Anos mais tarde, os radioastrônomos Robert Gray e Kevin Marvel decidiram procurar esse sinal. Eles nunca ficaram convencidos que se tratava de um sinal espúrio, provocado por ruído. De fato, o próprio método de observar deixa poucas dúvidas da origem celeste do sinal. Como o Orelhão ficava parado e as fontes é que corriam por sobre suas cornetas, um sinal celeste (não necessariamente de vida inteligente) tem um padrão de intensidade quando detectado. Ele deve crescer do zero até atingir um máximo e depois cair a zero novamente, seguindo um perfil bem específico. Isso aconteceu com o sinal Uau e durou exatamente 72 segundos, o tempo em que a fonte no céu leva para percorrer o campo de detecção de uma das cornetas (chamado de feixe). Esse fato descarta um sinal de interferência vindo da Terra, ou mesmo de algum satélite em órbita baixa. ...

Então, o que teria causado esse sinal? Uns 20 anos depois, o próprio Ehman listou as possibilidades. Dentre elas, planetas e asteróides podem ser excluídos, bastando olhar suas posições. Uma transmissão de satélite também é improvável, pois a freqüência de 1420 MHz é protegida. Existe um acordo mundial para que essa freqüência nunca seja usada por ninguém, pois ela é muito importante para a astronomia. Mas e se alguém ali por perto do radiotelescópio resolvesse mandar uma mensagem ao espaço justo naquela hora? Também parece improvável, pois o sinal teria de ser apontado direto para que o Orelhão o detectasse. Além do mais, o sinal se comportou exatamente como o esperado para uma fonte astronômica, o que também exclui um sinal de rádio vindo de um avião.

E se esse sinal tivesse sido transmitido da Terra e tivesse sofrido uma reflexão no lixo espacial em órbita da Terra? Nesse caso, teria de ser um pedaço de metal. Até aí tudo bem, mas ele teria de estar em uma órbita muito alta, e pior, não poderia ter rotação alguma. Essas duas características, especialmente a última, são bem improváveis de acontecer com um pedaço de lixo espacial. Um efeito produzido por lente gravitacional duraria mais tempo, e a cintilação interestelar (um tipo de cintilação parecido com aquela que vemos no céu) só corrobora a idéia de que o sinal tem origem no espaço distante.

Depois de listar todas essas possibilidades Ehman admite que ele só consegue imaginar um sinal emitido por alguma civilização inteligente. Mas por que não admitir isso? Nas palavras dele (traduzidas por mim): “Porque eu sou um cientista, e como tal eu sei que essa hipótese só seria aceitável se eu e outros colegas também detectássemos esse sinal mais vezes.” ...

(Blog Observatório)

Nota: É interessante notar como a predisposição faz as pessoas verem o que querem. Um simples código um tanto questionável só não é aceito como evidência de fonte inteligente pelo fato de não ter se repetido. No entanto, a vida está cheia de evidências de planejamento inteligente em padrões que se repetem e podem ser observados em qualquer lugar do mundo. Segundo Richard Dawkins (cf. O Relojoeiro Cego), a mensagem encontrada apenas no núcleo de uma pequena ameba é maior do que os 30 volumes combinados da Enciclopédia Britânica. O que dizer, então, de órgãos complexos como o cérebro? Esses, sim, fruto do acaso cego? Vai entender...[MB]

Leia também: "Cientistas procuram sinais de vida extraterrestre"

sexta-feira, agosto 15, 2008

Parábolas de Jesus: as dez virgens

O cenário da parábola das dez virgens (Mt 25:1-13) era típico de um casamento no Oriente Médio. Geralmente à noite, os convidados para a festa nupcial deveriam esperar pelo noivo junto à casa da noiva. Quando ele chegava, acompanhava a noiva e os convidados até sua casa, onde começava a festa. Se houvesse uma demora maior do que as expectativas, as lâmpadas poderiam ter ou não azeite suficiente para continuarem acesas. Imagine o caso de algumas moças tateando no escuro, com vestidos de festa, quando todos já estavam se afastando! Quando Cristo, sentado, contemplava o grupo que aguardava o esposo, contou aos discípulos a história das dez virgens, ilustrando, pela experiência delas, a da igreja que viveria justamente antes de Sua segunda vinda. Os dois grupos de vigias representam as duas classes que professam estar à espera de seu Senhor. São chamadas virgens porque professam fé pura.

Mateus 25:1: "Então, o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram a encontrar-se com o noivo."

25:2: "Cinco dentre elas eram néscias, e cinco, prudentes."

25:3 "As néscias, ao tomarem as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo;"

25:4: "no entanto, as prudentes, além das lâmpadas, levaram azeite nas vasilhas."

25:5: "E, tardando o noivo, foram todas tomadas de sono e adormeceram."

25:6: "Mas, à meia-noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! Saí ao seu encontro!"

25:7: "Então, se levantaram todas aquelas virgens e prepararam as suas lâmpadas."

25:8: "E as néscias disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas estão-se apagando."

25:9: "Mas as prudentes responderam: Não, para que não nos falte a nós e a vós outras! Ide, antes, aos que o vendem e comprai-o."

25:10: "E, saindo elas para comprar, chegou o noivo, e as que estavam apercebidas entraram com ele para as bodas; e fechou-se a porta."

25:11: "Mais tarde, chegaram as virgens néscias, clamando: Senhor, senhor, abre-nos a porta!"

25:12: "Mas ele respondeu: Em verdade vos digo que não vos conheço."

25:13: "Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora."

"Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para os meus caminhos" (Sl 119:105). A lâmpada é a Palavra de Deus. O óleo é o Espírito Santo (Zc 4:1-6). Como as amigas da noiva esperaram pelo noivo, também a Igreja aguarda a volta de Cristo. Quem não se sujeita ao Espírito Santo, se desanima e estará despreparado para o encontro com Cristo.

Existem aqueles que conhecem os mandamentos e promessas de Deus, mas não permitem que eles transformem sua vida. Da mesma forma que os ouvintes do solo rochoso da parábola do semeador, aceitaram a verdade com alegria, mas não fizeram dela a força motivadora de sua vida.

Na parábola, as dez virgens saíram ao encontro do esposo. Todas tinham lâmpadas e frascos. Por algum tempo não se notava diferença entre elas. Assim é com a igreja que vive justamente antes da segunda vinda de Cristo. Todos têm conhecimento das Escrituras. Todos ouviram a mensagem da proximidade da volta de Cristo e confiantemente O esperam. Como na parábola, porém, assim é agora. Existe um tempo de espera; a fé é provada; e quando se ouvir o clamor "Aí vem o Esposo! Saí-Lhe ao encontro!", muitos não estarão preparados. Não têm óleo em seus vasos nem nas lâmpadas. Estão destituídos do Espírito Santo.

A teoria da verdade, se não estiver acompanhada da presença do Espírito Santo, não é suficiente para santificar o coração. Pode-se estar familiarizado com os mandamentos e promessas da Bíblia, mas se o Espírito de Deus não introduzir a verdade no íntimo, o caráter não será transformado. Sem a iluminação do Espírito, os homens não estarão aptos para distinguir a verdade do erro.

Ouvindo o clamor das cinco moças insensatas, à porta da casa do banquete, aprendemos mais algumas coisas. A primeira é que certos itens não podem ser obtidos no último minuto. O relacionamento com Cristo é um deles. Não podemos esperar estar prontos para Ele sem um preparo feito com antecedência. Segundo, há coisas que não podemos tomar emprestadas. Assim como as insensatas não podiam tomar óleo emprestado das amigas prudentes, também não podemos tomar emprestado o relacionamento com Deus. Cada um tem que desenvolver o seu.

Preparados para a emergência

As dez virgens foram surpreendidas pela chegada do noivo. Mas apenas cinco estavam preparadas para a viagem até a casa dele. O que fez a diferença? (v. 7 e 8). O que isso simboliza na vida do cristão? A diferença é que as que estavam preparadas mantiveram-se vigilantes. Isso simboliza que o cristão deve se manter sempre fiel à Palavra de Deus e sensível à influência do Espírito Santo. Ambos os grupos foram tomados de surpresa; porém, um estava preparado para a emergência, e o outro, não.

Quando acontecerão essas coisas? Qual será o sinal da Tua vinda? E do fim do mundo? Jesus respondeu com o sermão registrado em Mateus 24 e 25. Para compreender plenamente a parábola das dez virgens, é preciso enquadrá-la no contexto desses dois capítulos. “Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do homem” (Mt 24:30); “mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe” (Mt 24:36); “e não o perceberam” (Mt 24:39); “Portanto, vigiai, porque não sabeis” (Mt 24:42).

As dez virgens da parábola tinham a mesma aparência exterior, mas por dentro cinco estavam espiritualmente mortas. Estavam sonolentas, num quase estupor, enquanto as outras cinco estavam despertas. As dez começaram a noite com muita energia e grande expectativa, mas metade delas acabou dormindo. A pergunta é: Como podem os cristãos que aguardam a segunda vinda de Cristo permanecer despertos? Como manter e aumentar seu nível de energia? A resposta está sugerida na parábola: cinco virgens tinham o Espírito Santo enquanto as outras cinco não O tinham. As cinco que O tinham estavam envolvidas em um significativo testemunho e permaneciam alerta.

Testemunho

Um testemunho significativo é a própria regeneração da vida da pessoa. O termo significativo tem a ver com a aplicação dos dons espirituais ao serviço cristão. Os cristãos que tentam ministrar, sem os correspondentes dons do Espírito Santo, certamente fracassarão. Aqueles que exercitam seus dons no ministério serão bem-sucedidos e também revitalizados. Uma congregação sonolenta, quase letárgica, é aquela que se mantêm estagnada.

A hora da chegada do noivo simboliza o ponto da história humana em que Cristo volta. Como estará o mundo, por ocasião do retorno de Cristo? O mundo estará sob engano (Mt 24:5); estará sob guerras (Mt 24:6); sem amor ao próximo (Mt 24:12); ignorando a Deus (Mt 24:37, 38).

Apesar do testemunho diário da preparação da arca para o dilúvio, as pessoas continuaram a sua rotina diária, totalmente alheias ao evento que estava para ocorrer. Exatamente essa será a atitude de muitas pessoas pouco antes do retorno de Cristo. Os “cuidados do mundo” não devem distrair a atenção do cristão para o evento esperado.

O apóstolo Paulo assinala que essa será a característica especial dos que vivem justamente antes da segunda vinda de Cristo. Diz: "Nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos; porque haverá homens amantes de si mesmos... mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela" (2 Tm 3:1-5).

Essa é a classe de pessoas que em tempo de perigo é encontrada pregando paz e segurança. Acreditam estar tudo em ordem e não sonham com o perigo. Quando perceberem o grave erro de avaliação cometido, será tarde demais. De nada adiantará pedir socorro aos prevenidos e lhes tomar emprestado as reservas cuidadosamente preparadas. Em assuntos espirituais, ninguém pode remediar a deficiência de outros.

“Senhor, Senhor” – No dia final, muitos dirão: "Senhor, Senhor, não profetizamos nós em Teu nome? E, em Teu nome, não expulsamos demônios? E, em Teu nome, não fizemos muitas maravilhas?" (Mt 7:22). Mas a resposta será: "Digo-vos que não sei de onde vós sois; apartai-vos de Mim" (Lc 13:27).

Precisamos estar sempre prontos, se quisermos passar a eternidade ao lado de Jesus.

(Texto da Jornalista Graciela Érika Rodrigues, inspirado na palestra do advogado Mauro Braga)

Revista Viva com Esperança

“Um avião bateu contra o WTC, há fogo, muita fumaça, mas não se asste”, disse Tony Rocha à sua mulher, Marylin Marques, antes de o telefone ficar mudo. Em 1994, já com o curso de administração de empresas concluído, Tony se casou com Marylin. Além de bom marido e pai, ele se tornou respeitado corretor em Wall Street. Trabalhava na Cantor Fitzgerald Securities, cujos escritórios ficavam na torre norte do WTC. A Cantor perdeu 700 dos seus mil funcionários, entre os quais Tony, que deixou, além da esposa, dois filhos pequenos. ...

[Clique aqui e leia as matérias da revista que vai "impactar" a América do Sul no dia 6 de setembro.]

O passado verde do Saara

Pesquisadores da Universidade de Chicago buscavam restos de dinossauros em Níger quando encontraram um cemitério de 5 mil anos no qual uma mulher e duas crianças jaziam numa cama de flores. Nas quase 200 sepulturas, foram encontrados restos de pessoas e animais, grandes peixes e crocodilos. "Para todo lugar que olhávamos havia ossos pertencentes a animais que não vivem no deserto", disse o pesquisador líder do projeto, Paul Sereno. "Eu percebi que estávamos no Saara verde."

(Opinião e Notícia)

Adventista é nova capelã da Marinha dos EUA

Adrienne Townsend aceitou o juramento do ofício e foi oficialmente admitida em 24 de julho como primeira mulher adventista do sétimo dia a servir como uma capelã ativa junto à Marinha dos Estados Unidos. Townsend, que tem a patente de tenente, declarou que seus quatro anos como preceptora auxiliar de moças na Universidade Andrews, da Igreja Adventista, a preparou para a capelania e chama a seu novo posto de "um imenso campo missionário", onde pode ministrar também para pessoas jovens. "Sinto que Deus estabeleceu os fundamentos para eu entrar no ambiente militar e alcançar aqueles que precisam ouvir sobre Cristo", declara Townsend. "Desejo que Cristo seja glorificado e que Deus seja visto como real por todos com quem eu entrar em contato."

Townsend, que tem um Mestrado em Divindade do Seminário Teológico Adventista, ligado à Universidade Andrews, tem formação em educação e psicologia. Enquanto cursava Teologia, Townsend fez contato com um recrutador da Marinha que a chamou para a capelania.

O posto de Townsend é um "incentivo" para outras mulheres adventistas sentirem igual chamado ao ministério dentro das forças armadas", declarou o capelão Gary R. Councell, diretor dos Ministérios de Capelania Adventista para a Igreja em nível mundial.

Councell trabalhou com Townsend ao longo dos últimos dois anos para prepará-la para preencher os requisitos denominacionais e militares para o seu posto.

O tenente Christopher Carmichael, representante da Marinha da Estação de Recrutamento de Oficiais da Marinha, em East Lansing, Michigan, entregou a Townsend sua nomeação presidencial assinada pelo presidente George W. Bush. O capelão do Seminário James North dirigiu o juramento ao posto.

Uma vez tendo o seu posto de atuação determinado, os deveres de Townsend incluirão conduzir cultos, propiciar aconselhamento e realizar cerimônias como casamentos e funerais.

(Rede Adventista de Notícias)

quinta-feira, agosto 14, 2008

Tesouros da Terra Santa no Masp

Cerca de 150 achados arqueológicos do período compreendido entre 1000 a.C. até o século I da nossa era estão reunidos na exposição "Tesouros da Terra Santa - Do Rei David ao Cristianismo", que o Masp e a Calina Projetos apresentam no Museu a partir de 13 de agosto. A mostra reúne objetos trazidos de Jerusalém para contar algumas passagens históricas ligadas ao judaísmo e ao cristianismo, como a construção do Primeiro e Segundo templos e os dias de Jesus Cristo. Com curadoria de Naama Brosh e David Mevorah, do Museu de Israel Jerusalém, "Tesouros da Terra Santa" fica de 13 de agosto a 2 de novembro no Masp.

A exposição "Tesouros da Terra Santa - do Rei David ao Cristianismo" conta mil anos de história por meio de fontes arqueológicas e literárias. Dentre os 150 objetos que serão levados ao Masp estão o ossuário de Caifás e a inscrição de Pôncio Pilatos, dados como dois dos cinco artefatos genuínos da arqueologia que comprovam dados históricos do período de Jesus na Palestina, a exemplo da existência do sumo sacerdote judeu que presidiu o julgamento de Cristo e do governador romano que o levou à cruz.

Entre as peças que compõem o conjunto também está a "pedra da vitória", entalhada por um rei de Aram, contendo uma inscrição que menciona a "Casa de Davi", referência direta à dinastia fundada pelo Rei Davi. A mostra trará ainda a pedra funerária que marca o local do sepultamento de Uzias, um dos reis de Judah, cujo túmulo foi trocado de local quando da expansão de Jerusalém séculos após seu reinado. São peças que revelam a arquitetura real, a devoção religiosa e a administração durante o período do Primeiro Templo.

O espaço expositivo será dividido em duas partes. A primeira terá foco nos aspectos históricos, religiosos e políticos da Terra Santa, relacionados ao período do Primeiro Templo. Serão apresentados aspectos da devoção dos israelitas, com ênfase no Templo Sagrado e na centralização do culto em Jerusalém. Essa parte também tem a proposta de descrever a vida cotidiana dos israelitas, seus lares e tarefas domésticas. Já a segunda parte será voltada ao período do Segundo Templo, em Jerusalém, e ao início do Cristianismo. Será traçado o papel do Templo Sagrado e o estilo de vida dos primeiros cristãos.

O período Bizantino, entre os séculos IV e VII d.C, ganha destaque na parte final da mostra e complementa o milênio retratado, 600 anos depois. Nessa época, seguidores do judaísmo e do cristianismo viviam lado a lado e ambos dedicavam grandes recursos à construção de monumentais casas de oração, antigas sinagogas e igrejas. A reconstituição desses espaços, com pia batismal, altar e outros objetos, dá testemunho, principalmente, das semelhanças entre as duas religiões nesse período.

Mais informações aqui.

Achado arqueológico 'revive' conspiradores bíblicos

Júbilo impera entre os arqueólogos bíblicos! Mais dois personagens da corte judaica deixaram de ser conhecidos apenas nas páginas das Bíblias ao redor do mundo para se apresentarem a todos através de uma descoberta arqueológica. Essa descoberta é incrivelmente significativa porque reforça o que muitos cristãos têm afirmado ao longo dos séculos: a Bíblia é um documento histórico confiável! Alguém pode questionar: "Qual a importância desse achado para o mundo acadêmico? De que maneira ele favorece a confiabilidade histórica da Bíblia?" [Leia mais]

Assassinato, assassinos e provas assassinadas

Nesta semana morreu assassinado o presidente regional do Partido Democrata do Estado do Arkansas Bill Gwatney, como narra o registro no site de O Estado de S. Paulo: "A emissora de televisão THV, de Little Rock, informou que o presidente regional do Partido Democrata dos EUA no Arkansas, Bill Gwatney, foi hospitalizado em estado crítico depois de ser baleado várias vezes dentro da sede da agremiação no Estado. O atirador, descrito como um homem de cerca de 40 anos, foi perseguido pela polícia e baleado antes de ser detido. De acordo com a emissora, a balconista de uma floricultura situada diante da sede do Partido Democrata disse que a secretária de Gwatney entrou em sua loja por volta do meio-dia (11h em Brasília) e pediu que ela chamasse a polícia, porque um homem havia entrado na sede da agremiação e atirado várias vezes no dirigente partidário. O homem fugiu em uma caminhonete; perseguido pela polícia, ele foi baleado e preso perto da localidade de Sheridan. O motivo do ataque não foi revelado."

O curioso nesta história sangrenta é que Barack Obama, o candidato do partido, recebeu apoio de Carolyn Kennedy. Ela, filha do assassinado presidente Kennedy, nunca tinha se manifestado a favor de alguém na política. Mas deu apoio categórico a Obama, dizendo que ele ecoa o sentimento cívico de seu pai em seus discursos.

Esse assassinato demonstra que quando mudanças estão para ocorrer e ameaçar o status quo - como é o caso de Obama (não apenas por ser negro, mas por defender um projeto de país voltado para a seriedade de uma nação democrática que promove a paz e o desenvolvimento de todos, não apenas de alguns segmentos da sociedade de lá) -, forças ocultas agem.

Como todo assassinato típico de conspiração, o atirador fugiu e foi morto pela polícia "sem querer". O Dr. Paul H. Koch comenta que 18 testemunhas que diziam que Oswald não foi o único assassino de Kennedy foram misteriosamente mortas num período de três anos. Koch cita a opinião de um matemático do jornal Sunday Times (Inglaterra) de 1967, uma probabilidade de 100 trilhões para um.

O mesmo aconteceu no Brasil com Castelo Branco, JK, Tancredo, o prefeito Toninho de Campinas, SP; em Israel com Rabin, nada se descobriu apesar de Israel ser o país com os maiores especialistas de segurança. O estranho é que Rabin e Arafat estavam promovendo de forma séria a compreensão mútua entre palestinos e israelenses; mas depois do assassinato de Rabin os conflitos voltaram.

Isso só demonstra que a democracia anda por um fio; ninguém pode negar que forças muito hostis têm causado a morte de líderes que trabalhavam em prol de seus países. Resta aos vivos não desanimarem ante isso tudo; até porque os conspiradores não podem matar uma nação inteira que queira erguer em alto e bom som a civilidade, a boa fé e a coragem de lutar pelo que é justo e correto.

(Sílvio Motta Costa, professor em Campinas, SP)

quarta-feira, agosto 13, 2008

Resistir à tentação fortalece o caráter

Depois de esbarrar com uma pessoa atraente as mulheres tendem a ficar ainda mais comprometidas, ao reforçarem sua relação atual com o amor de suas vidas. Mas os homens têm mais chances de verem suas namoradas de uma maneira mais negativa depois de um acidental e indesejável encontro com a tentação. Felizmente um homem comprometido pode resistir à sedução com um pouco de planejamento prévio, ao imaginar anteriormente como resistir à tentação de outra mulher. O psicólogo John Lydon, da Universidade McGill em Montreal, oferece esses resultados em um estudo publicado na edição de julho da revista científica Journal of Personality and Social Psychology. Um dos experimentos de John sobre a tentação descobriu que, depois de encontrar um homem atraente e disponível, as mulheres tinham mais 18% de chance de perdoar seu “parceiro romântico” que hipoteticamente teria revelado um traço embaraçoso ou mentido sobre o porquê teria recentemente cancelado um encontro. E os homens, depois de haverem conhecido uma mulher atraente disponível, tinham 12% menor chance de perdoar gafes comparáveis das suas parceiras.

Os homens podem parecer incapazes de resistir ao estrogênio extra, possivelmente porque eles interpretam suas interações com mulheres de maneira diferente do que as mulheres. Mas se os homens adotavam o ponto de vista feminino da tentação, eles poderiam desenvolver essa característica mais defensiva.

“Nós pensamos que se o homem pensa que uma mulher atraente e disponível é uma ameaça a sua relação atual, ele pode tentar proteger essa relação”, disse John.

Usando cenários de realidade virtual em outro experimento, os pesquisadores descobriram que o comprometimento dos homens pode não solucionar tudo. Mas se os homens imaginam uma reação conservadora, na próxima vez que se confrontarem com uma “outra” mulher atraente, eles podem estar melhor preparados para superar tentações futuras – assumindo que seja isso que eles realmente desejam.

“Mesmo que o homem seja comprometido com a sua relação”, disse John, “ele ainda pode necessitar formular estratégias para proteger sua relação ao evitar aquela mulher disponível e atraente.”

(Hypescience)

Nota: A melhor estratégia contra a tentação e a traição é alimentar o amor romântico no casamento e ter íntima comunhão com Deus, que é a fonte do amor verdadeiro. Essa pesquisa está de acordo com um conceito expresso há um século pela escritora Ellen White, segundo a qual a vitória sobre uma tentação torna o caráter mais forte e apto a resistir a uma segunda tentação.[MB]

Esperança para os traumas emocionais



No dia 6 de setembro, serão distribuídas na América do Sul 20 milhões de revistas Viva com Esperança. Essa iniciativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia foi chamada de Impacto Esperança. O vídeo acima, apresentado por Fernando Iglesias, traz o texto de abertura da revista, escrito por Michelson Borges. Participe desse projeto e leve esperança a alguém.

Álcool altera percepção estética e sexual

Depois de uns copos de cerveja, as pessoas realmente começam a achar os outros mais bonitos, segundo um estudo feito por cientistas da Universidade de Bristol, na Grã-Bretanha, e publicado na revista New Scientist. A equipe liderada por Marcus Munafò, do Departamento de Psicologia Experimental, conduziu uma experiência com 84 alunos heterossexuais, pedindo que eles consumissem uma bebida não-alcoólica com sabor de limão ou uma bebida alcoólica com um sabor semelhante. A quantidade de álcool variava de acordo com o indivíduo, mas foi calculada para ter o efeito que um copo de 250 ml de vinho teria em uma pessoa de 70 kg - ou seja, o suficiente para deixar parte dos alunos levemente embriagados.

Quinze minutos depois, os pesquisadores mostraram fotografias aos participantes de pessoas da sua idade, de ambos os sexos. Tanto os homens como as mulheres que haviam consumido álcool avaliaram as pessoas retratadas como mais atraentes do que os participantes do grupo de controle (que tinham tomado a bebida sem álcool).

A New Scientist destaca como surpreendente o fato de que os resultados não se aplicaram apenas ao sexo oposto, ou seja, homens que haviam tomado álcool também consideraram os homens nas fotografias mais atraentes, assim como as voluntárias, em relação às mulheres fotografadas.

Esse último dado vai além dos resultados de um estudo anterior feito pela Universidade de Glasgow, na Escócia, no qual o efeito do álcool na percepção da beleza só havia sido verificado entre homens olhando para fotografias de mulheres e vice-versa. ...

Um outro estudo citado pela revista, realizado na Universidade de Yale, indica que as pessoas também tendem a assumir comportamentos sexuais mais arriscados depois de beber, o que poderia ser explicado pelo fato de o álcool baixar as inibições das pessoas "por meio de um efeito direto no cérebro ou ao oferecer uma desculpa conveniente para esse tipo de comportamento".

(Terra)

terça-feira, agosto 12, 2008

Os ateus são mais inteligentes?

A revista Época desta semana traz uma entrevista com o pesquisador britânico Richard Lynn, que dedicou mais de meio século à análise da inteligência humana. Nesse tempo, publicou quatro best-sellers e se tornou um dos maiores especialistas no assunto. Nos últimos 20 anos, passou a investigar as relações entre raça, religião e inteligência. Ao publicar um trabalho na revista científica Nature, que sugeria que os homens são mais inteligentes, um grupo feminista o recepcionou em casa com o que ele chamou de salva de ovos. O mesmo aconteceu quando disse que os orientais são os mais inteligentes do planeta. “Faz parte do ofício de um cientista revelar o que as pessoas não estão prontas para receber”, diz. Ao analisar mais de 500 estudos, Lynn disse estar convencido da relação entre Q.I. alto e ateísmo. “Em cerca de 60% dos 137 países avaliados, os mais crentes são os de Q.I. menor”, disse. Seu trabalho será publicado em outubro na revista científica Intelligence.

Por que o senhor diz que pessoas inteligentes não acreditam em Deus?

Os mais inteligentes são mais propensos a questionar dogmas religiosos. Em geral, o nível de educação também é maior entre as pessoas de Q.I. maior (um Q.I. médio varia de 91 a 110). Se a pessoa é mais educada, ela tem acesso a teorias alternativas de criação do mundo. Por isso, entendo que um Q.I. alto levará à falta de religiosidade. O estudo que será publicado reuniu dados de diversas pesquisas científicas. E posso afirmar que é o mais completo sobre o assunto.

Segundo seu estudo, há países em que a média de Q.I. é alta, assim como o número de pessoas religiosas.

Sim, mas são exceções. A média da população dos Estados Unidos, por exemplo, tem Q.I. 98, alto para o padrão mundial, e ao mesmo tempo cerca de 90% das pessoas acreditam em Deus. A explicação é que houve um grande fluxo de imigrantes de países católicos, como México, o que ajuda a manter índices altos de religiosidade nas pesquisas. Mas, se tirarmos as imigrações ao longo dos últimos anos, a população americana teria um índice bem maior de ateus, parecido com o de países como Inglaterra (41,5%) e Alemanha (42%).

Cuba é um país mais ateu que os Estados Unidos, mas o nível de Q.I. não é tão alto.

Você tem razão. É outra exceção. Pela porcentagem de ateus (40%), o Q.I. (85) dos cubanos deveria ser mais alto que o dos americanos. Mas há também aí um fenômeno não natural que interferiu no resultado. Lá, o comunismo forçou a população a se converter. Houve uma propaganda forte contra a crença religiosa. Não se chegou ao ateísmo pela inteligência. A população cubana não se tornou atéia porque passou a questionar a religião. Foi uma imposição do sistema de governo.

E o Brasil, como está?

O Brasil segue a lógica, um porcentual baixíssimo de ateus (1%) e Q.I. mediano (87). É um país muito miscigenado e sofreu forte influência do catolicismo de Portugal e dos negros da África. Fica difícil mensurar a participação de cada raça no Q.I. atual. O que posso dizer é que a história do país se reflete em sua inteligência.

Nota: Lynn, que já atacou a inteligência das mulheres, por certo aprendeu uma lição com a saraivada de críticas que James Watson recebeu ao afirmar que os africanos seriam menos inteligentes. Lynn associa a educação formal ao ateísmo, mas se esquece de mencionar que os centros acadêmicos seculares foram dominados pelo naturalismo filosófico (o naturalismo metodológico é bem-vindo). Num ambiente acadêmico como esse, que geralmente caracteriza todo tipo de religião como obscurantista, o que pensarão os estudantes? Com a carga de estudos e atividades a que são submetidos, poucos universitários vão além daquilo que seus professores lhes apresentam em termos filosóficos. Terão Q.I. elevado, sim, mas quem disse que inteligência conteudista é sinônimo de mente aberta e falta de preconceito?

Se Lynn estiver certo, fica difícil explicar a conversão de ateus inteligentes como Antony Flew, por exemplo. E o que dizer de C. S. Lewis, Francis Collins, Alister McGrath, Patrick Glynn e outros? Todos exceções?[MB]

"Desafiando Gigantes" inspira Camilo ao bronze

Uma ligação. Essa foi a motivação necessária para que Tiago Camilo superasse o holandês Guillaume Elmont e garantisse a medalha de bronze na categoria até 81 quilos. Após a derrota para o alemão Ole Bischof, que acabaria ganhando o ouro, o judoca brasileiro recebeu um contato do irmão, Luís Camilo, responsável por tirá-los dos campos de futebol e levá-lo ao tatame. Era a senha para a recuperação, além da recordação do filme Desafiando Gigantes (Facing the Giants). "Fiquei muito triste com a derrota (para o alemão), vi tudo escapando das minhas mãos. No intervalo (entre a derrota para Bischof e as lutas da repescagem) levantei a cabeça e encontrei as respostas. Meu irmão me ligou, lavei o rosto, olhei no espelho e vi que tinha que seguir lutando", avaliou o judoca. ...

Ciente de que a conquista mundial chamaria a atenção dos principais rivais, Camilo buscou aprimorar seu estilo. Mudou alguns golpes e procurou esquecer que era o centro das atenções. No período de preparação para os Jogos, conheceu o filme Desafiando Gigantes, de teórica motivacional, muito usado por treinadores das mais variadas modalidades. ...

(Terra)

Colaboração: Renato Jungbluth

O motivo até é bom, mas o apelo estraga

Deu no portal Terra: “O Peta, grupo de proteção aos animais, escolheu Jenna Jameson para protagonizar uma campanha de controle de natalidade animal. A ex-atriz pornô aparece de perfil cobrindo os seios ao lado da frase: ‘Às vezes, muito sexo pode ser uma coisa ruim.’ A campanha incentiva os donos de gatos e cachorros a castrá-los. Assim, a organização busca diminuir o número de animais sem abrigo ou em instituições de recolhimento. Jenna é velha companheira do Peta. Ela já participou de outras campanhas... A atriz é uma das mais conhecidas no meio pornô. ...”

Nota: O Peta realiza um trabalho importante em prol do vegetarianismo e na defesa dos animais. Infelizmente, acaba se valendo de apelos de marketing que colaboram para denegrir e banalizar sua causa. Vegetarianos já reclamaram do uso do nudismo como forma de chamar atenção para as campanhas da entidade. Deveriam aprender com o brasileiro e sério Instituto Nina Rosa.[MB]

Sabor dos alimentos passa para o leite materno

Pesquisadores da Universidade de Copenhagen, na Dinamarca, conseguiram comprovar que os alimentos consumidos pela mãe produzem efeito instantâneo no sabor do leite materno, facilitando a introdução de alimentos complementares após os seis meses de vida do bebê. Isso porque as primeiras experiências em termos de sabor se dão pelas experiências que a criança tem com o leite materno. Se a mãe consome alimentos saudáveis durante a lactação, o bebê já vai se acostumando a esse tipo de paladar. A pesquisa, publicada na revista científica Physiology & Behavior, consistiu na administração de cápsulas com diversos flavorizantes. As mães forneciam aos pesquisadores amostras do leite materno com 2, 4, 6, e 8 horas após o consumo das cápsulas.

Percebeu-se que os compostos conseguem passar para o leite em diferentes taxas e velocidades, sendo o pico após 2 horas de consumo. Ao mesmo tempo que bebês amamentados são mais receptivos a novos sabores em fases posteriores da vida, o experimento também nos ajuda a entender por que alguns bebês rejeitam o seio caso a mãe consuma alimentos com odores fortes, como o alho.

domingo, agosto 10, 2008

Estão redescobrindo o Newton religioso

Um livro que acaba de chegar ao Brasil ajuda a revelar um lado surpreendente de Isaac Newton (1643-1727), pai da física moderna e responsável por formular a lei da gravidade, entre outras realizações científicas fundamentais. Nas horas vagas (ou, para ser mais exato, na maior parte do tempo durante sua maturidade), Newton se dedicava a um estudo detalhado, ponto por ponto, dos escritos atribuídos ao profeta Daniel e do Apocalipse, os dois livros bíblicos que mais versam sobre o fim do mundo. Para o cientista britânico, as duas obras eram guias precisos para a história do mundo até sua época e continham a chave para desvendar o que aconteceria no final dos tempos.

Os estudos apocalípticos de Newton estão na obra As Profecias do Apocalipse e o Livro de Daniel (Editora Pensamento), traduzida integralmente para o português pela primeira vez. As análises newtonianas coincidem apenas em parte com o que os modernos estudiosos da Bíblia consideram ser a interpretação mais provável das Escrituras. Mas não devem ser lidas como sinal de que o cientista tinha um lado "retrógrado" ou "obscurantista", alertam especialistas. Pelo contrário: é bastante possível que a fé religiosa de Newton, e seu interesse por assuntos esotéricos, tenham facilitado suas descobertas.

"A gente tem de inverter a relação. Não é apesar de suas crenças religiosas e místicas que o Newton consegue dar o pulo do gato nos trabalhos sobre a gravidade; é justamente devido a elas", afirma José Luiz Goldfarb, historiador da ciência e professor de pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). "Os próprios estudos bíblicos de Newton já denotam uma sensibilidade mais crítica e moderna, uma tentativa de estudar as profecias de forma quase matemática, usando cronologias detalhadas."

"A gente costuma deixar ciência e religião bem separadas, mas o fato é que os manuscritos de Newton, que chegam a 4.000 páginas, abordam principalmente esses estudos místicos e esotéricos", conta Mauro Condé, professor de história e filosofia da ciência da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). "Com a morte dele, a Universidade de Cambridge e a Royal Society [principal sociedade científica do Reino Unido, da qual ele fazia parte], que tinham um modelo para o que deveria ser o trabalho científico, privilegiaram parte da obra dele e deixaram o resto vir a público de forma meio aleatória", diz o pesquisador.

O livro em questão, publicado após a morte de Newton com base em suas anotações, é basicamente uma tentativa de desvendar o significado histórico das principais profecias do livro de Daniel (no Antigo Testamento) e do Apocalipse (livro do Novo Testamento que encerra a Bíblia cristã). Ambas as obras são caracterizadas pela riqueza de imagens simbólicas - animais, estátuas, chifres, trombetas - que funcionam como uma espécie de linguagem cifrada que o profeta propõe à sua audiência, e que às vezes é desvendada logo após a descrição das visões.

Newton, para quem Daniel "é um dos profetas mais claros para se interpretar", traça uma série de correspondências entre as imagens proféticas e eventos reais - no seu esquema, por exemplo, menções a "dias" sempre se referem, na verdade, a anos, animais ferozes e poderosos correspondem a reis ou nobres, e assim por diante. Usando essa chave simbólica, o cientista se propõe a relacionar todas as grandes ocorrências da história mundial, do exílio judaico na Babilônia (a partir de 586 a.C.) à sua época, com as visões de Daniel e, em menor grau, com as de João, o autor do Apocalipse.

As duas principais visões do livro de Daniel se referem a uma estátua feita de vários tipos de metal precioso e não-precioso, e a uma sucessão de animais ferozes de aspecto sobrenatural. A interpretação tradicional (inclusive no interior do livro bíblico) é associar cada um dos metais e das feras a reinos que se sucederiam até o fim dos tempos, quando Deus salvaria seu povo e instauraria seu domínio sobre o mundo.

No caso da estátua, temos os metais ouro, prata, bronze, ferro e argila misturada com ferro; para Newton, a correspondência é com os impérios da Babilônia, da Pérsia, dos gregos de Alexandre Magno e de Roma; "ferro e argila" misturados significariam as nações européias oriundas do território fragmentado de Roma, fundadas a partir de reinos bárbaros. Um esquema semelhante é aplicado aos animais ferozes; Newton aproveita o fato de que um deles tem dez chifres para associá-lo aos dez reinos bárbaros europeus fundados após a queda de Roma.

Após esses dez chifres, surge mais um, "menor, e três dos primeiros foram arrancados para dar-lhe lugar. Este chifre tinha olhos idênticos aos olhos humanos e uma boca que proferia palavras arrogantes", diz o profeta. Newton afirma que esse chifre arrogante é a Igreja Católica, que havia se tornado um império ao adquirir vastas extensões de terra na Itália durante a Idade Média. O cientista traça a interpretação porque o livro de Daniel diz que o novo chifre "perseguia os santos".

Fortemente anticatólico, Newton associava a Igreja à promoção de práticas vistas por ele como demoníacas, como a adoração dos santos, bem como à perseguição dos verdadeiros cristãos. Para ele, a Igreja Católica também pode ser identificada com a Besta do Apocalipse, representada pelo número 666. Em seus cálculos, Newton dá a entender que o fim do mundo viria após a reconstrução do templo de Jerusalém, em torno do ano 2400 - mas se abstém de apontar um ano específico.

Apesar do esforço interpretativo de Newton, poucos estudiosos atuais do texto bíblico vão concordar com sua análise. Para começar, enquanto o físico considerava que o livro de Daniel tinha sido escrito no século 6 a.C. pelo profeta do mesmo nome, o consenso moderno é que a obra é tardia, de meados do século 2 a.C. - relatando, portanto, muitas coisas que já eram passado no tempo do profeta antes de se dedicar à profecia propriamente dita. [Essa idéia de teólogos liberais está longe de ser consenso. Newton, mais uma vez, estava com a razão.]

Assim, Roma e a época cristã nem seriam mencionadas em Daniel: o profeta estaria falando apenas dos reinos sucessores de Alexandre Magno que lutavam pelo controle da terra de Israel naquela época. "Seriam, portanto, profecias depois do fato", escreve Lawrence M. Wills, professor de estudos bíblicos da Episcopal Divinity School (Estados Unidos). De acordo com Wills, o chifre perseguidor dos "santos" representa, mais provavelmente, o rei sírio Antíoco Epífanes (morto em 164 a.C.), e não tem relação alguma com a Igreja Católica. [Antíoco Epifânio nem de longe cumpre a profecia, como Newton bem percebeu. Clique aqui e descubra por quê.]

Tudo isso pode soar um bocado estranho para os que estão acostumados à separação moderna entre ciência e religião, mas José Luiz Goldfarb vê indícios dos interesses bíblicos de Newton na própria formulação da lei da gravidade. "No hebraico bíblico existe a palavra makom, que significa 'lugar'. Mas, com a evolução do pensamento rabiníco, ela passa a designar a própria divindade. O Newton cita essa palavra em seus escritos, e parece ter usado o conceito para explicar como a gravidade atuava à distância - como a gravidade do Sol pode atrair a Terra, por exemplo. É como se entre o Sol e a Terra houvesse um makom, que é Deus, o qual está em todos os lugares", diz o pesquisador.

Goldfarb ressalta que Newton é só mais um exemplo de patrono da ciência que tinha suas idéias "fertilizadas" pelo pensamento místico de sua época. "Os dois campos se falavam e se influenciavam muito", diz. A crença monoteísta (num Deus único), se vista como um todo, também pode ter sido uma influência positiva nos primórdios da ciência e da filosofia, de acordo com Mauro Condé.

"O monoteísmo nos parece simples, mas já exige uma forma de pensamento mais sofisticada e abstrata", diz ele. "E a busca por essências da natureza, por leis ordenadas, é uma coisa que Newton compartilha com filósofos como Platão. Isso foi incorporado na teologia cristã desde o começo", afirma Condé.

(G1 Notícias)

Leia também: "O berço da ciência" e "Isaac Newton: cientista e teólogo"