terça-feira, maio 12, 2015

O suposto “bad design” do nervo laríngeo recorrente

Na verdade, outra evidência de design
Críticos da teoria do design inteligente (TDI), tais como Richard Dawkins, Kelly Smith e Jerry Coyne, têm alegado que as inervações tortuosas do nervo laríngeo recorrente (NLR) são sinais de um “bad design” ou “design imperfeito”. O biólogo evolutivo Richard Dawkins explica a rota seguida pelo NLR: “Ele é um ramo de um dos nervos cranianos, aqueles nervos que levam diretamente do cérebro em vez da medula espinhal. Um dos nervos cranianos, o nervo vago, tem vários ramos, dois dos quais vão para o coração, e dois em cada lado da laringe (cordas vocais em mamíferos). Em cada lado do pescoço, um dos ramos do nervo laríngeo vai direto para a laringe, seguindo uma rota direta, como um designer pode ter escolhido. O outro vai para a laringe através de um desvio surpreendente. Ele mergulha direto para dentro do peito, contorna a artéria aorta [...], e, em seguida, se dirige de volta até o pescoço para o seu destino.” [1: p. 356]

Ele reclama do nervo, e conclui: “Se você pensar nisso como o produto de design, o nervo laríngeo recorrente é uma desgraça.” [1: p. 356]. Ou seja, Dawkins considera apenas seu principal destino, a laringe. Na realidade, o nervo também tem um papel em suprir partes do coração, músculos da traqueia e membranas mucosas e do esôfago, o que pode explicar sua rota.

Dawkins argumenta que faz mais sentido que os seres humanos tenham evoluído de peixes, pois “no peixe o nervo vago tem ramos que suprem as três últimas das seis brânquias, e é natural para eles, portanto, passar por detrás das apropriadas artérias das brânquias. Não há nada de recorrente sobre esses ramos: eles procuram seus órgãos finais, as brânquias, pela rota mais direta e lógica.” [1: p. 359-360] “Durante a evolução dos mamíferos, no entanto, o pescoço esticou (peixes não têm pescoços) e as brânquias desapareceram; algumas delas se transformaram em coisas úteis, como a tireoide e glândulas paratireoides, e os vários outros pedaços que se combinam para formar a laringe [...], nervos e vasos sanguíneos foram sendo puxados e esticados em direções emaranhadas, o que distorceu suas relações espaciais de um para outro. O pescoço e o peito de vertebrados tornaram-se uma confusão [...]. E os nervos laríngeos recorrentes tornaram-se mais do que acidentes exageradamente ordenados dessa distorção.” [1: p. 360]

A filósofa e bióloga evolucionista Kelly C. Smith afirma que “se um design na natureza é claramente inferior ao que um engenheiro humano poderia produzir, então temos o direito de rejeitar a DI.” [2: p. 724]. O também biólogo evolutivo Jerry Coyne chama essa distância extra em que o NLR leva para chegar à laringe de “um dos piores projetos da natureza”. [3: p. 82]

Como pode ser observado, os críticos do design inteligente acreditam que os nervos deveriam inervar a laringe diretamente do cérebro, sem dar voltas. No entanto, há o nervo que supre a laringe diretamente do cérebro através do nervo laríngeo superior (NLS), sem tomar o caminho mais longo como o NLR - exatamente como eles exigem. Assim, a laringe é, de fato, inervada tanto de cima (NLS) como de baixo (NLR). 

Sabe-se que o NLS é mais frágil, e danos causados a ele apresentam pior impacto no ser humano do que se ocorresse ao NLR. Dentre os danos está a perda da capacidade das pessoas de engolir, respirar, gritar, cantar ou controlar corretamente o tom de voz.[4] Tendo em conta as diferentes condições médicas encontradas quando os nervos NLS e NLR são danificados, observou-se que ambos os nervos executam funções distintas. O NLS − que inerva de cima - está envolvido na produção de sons agudos, e o NLR − que inerva de baixo - produz sons mais graves.

Wolf-Ekkehard Lönnig, um geneticista pró-DI, resume a controvérsia da seguinte maneira: “O [NLR] inerva não só a laringe, mas também o esôfago e a traqueia e, além disso, dá vários filamentos cardíacos para a parte profunda do plexo cardíaco. [...] Não é preciso ressaltar aqui que todos os mamíferos - apesar das diferenças substanciais gênero-específicas - basicamente compartilham a mesma [diversidade], provando a mesma mente genial por trás de tudo.” [5: p. 4]

Além disso, o NLR apresenta também uma função médica. Segundo Michael Egnor, professor e vice-presidente do departamento de neurocirurgia da Universidade Estadual de Nova York em Stony Brook, o curso do NLR o leva através do mediastino, onde o coração e os pulmões se encontram. Há muitos gânglios linfáticos lá, e o alargamento desses linfonodos devido a processos como câncer ou infecção pulmonar (tuberculose) muitas vezes irrita o NLR e provoca rouquidão ou tosse. Isso serve de um alerta precoce para conseguir atendimento médico, e esse alerta já salvou muitas vidas.[6]

O Dr. Egner também dá explicações embrionárias para a formação do NLR: “A descida dos nervos recorrentes abaixo do arco aórtico e da artéria subclávia é o resultado de padrões de coalescência e movimentos dos componentes do arco aórtico durante a embriogênese. Parece que a proximidade de várias camadas e estruturas do embrião servem para orientar a embriogênese (chamado de indução). Os detalhes desse processo só agora começam a ser compreendidos, e o argumento darwinista de que a relação entre os nervos recorrentes e o arco aórtico seria prova de ‘bad design’ não tem em conta as enormes complexidades do desenvolvimento embrionário.”

Em suma, ao invés de ser um “bad design”, a dupla inervação da laringe, de cima e de baixo, é princípio de um bom design − uma forma de redundância, ou complementação para ajudar a minimizar o impacto sobre a função, se um desses dois nervos ficarem danificados. Assim, podem-se enxergar indícios de função e otimização do design com início na inervação da laringe, mas estendendo-se ao longo do percurso a múltiplas funções.

(Everton Fernando Alves é mestre em Ciências da Saúde pela UEM e diretor de ensino do Núcleo Maringaense da Sociedade Criacionista Brasileira [NUMAR-SCB]; seu e-book pode ser lido aqui)

Referências:
1. Dawkins R. The Greatest Show on Earth: The Evidence for Evolution. New York, NY: Free press, 2009.
2. Smith KC. “Appealing to ignorance behind the cloak of ambiguity.” p. 705-735. In: Pennock RT. Intelligent Design Creationism and its Critics: Philosophical, Theological, and Scientific Perspectives. Londres: The MIT Press, 2001. 825p.
3. Coyne JA. Why Evolution Is True. New York: Viking, 2009.
4. Yang YS, No SK, Choi SC, Hong KH. “Case of coexisting, ipsilateral nonrecurrent and recurrent inferior laryngeal nerves.” The Journal of Laryngology & Otology 2009; 123(7):e17.
5. Lönnig WE. “The Laryngeal Nerve of the Giraffe: Does it Prove Evolution?” 2010. Disponível em: http://www.weloennig.de/LaryngealNerve.pdf. Acesso em: 14 Abr 2015.
6. Luskin C. “Medical Considerations for the Intelligent Design of the Recurrent Laryngeal Nerve.” Evolution News & Views, 2010. Disponível em: http://www.evolutionnews.org/2010/10/medical_considerations_for_the039221.htmlAcesso em: 14 Abr 2015.