segunda-feira, agosto 17, 2015

Cientistas estão rejeitando o neodarwinismo

No MIT também há resistência
Quantos estudantes ou profissionais ao longo da história têm se sentido isolados no ambiente acadêmico por possuir pressupostos ou ideologias científicas contrárias às da maioria? Somente quem já tentou nadar contra a maré, entende o grau de esforço realizado. Mas a estes, o Discovery Institute informa que não estão sozinhos. Desde 2001, quando essa instituição de pesquisa pró-design lançou uma lista de cadastro, centenas de cientistas com doutorado – hoje mais de 900 pesquisadores – mostraram-se dispostos a expressar publicamente o ceticismo em relação à visão darwiniana, tradicional e moderna, de como a vida teria se desenvolvido ao longo do tempo. Essa lista, “A Scientific Dissent from Darwin”, é uma pedra no sapato daqueles que dizem que não há debate científico sobre se a evolução funciona de uma forma completamente natural.

A lista desafia o princípio mais básico da teoria darwiniana moderna (também chamada de “neodarwinismo”) – a visão de que mutação aleatória e seleção natural são as principais forças que geram a complexidade adaptativa em organismos vivos. Porém, ao invés de criticar a teoria moderna da evolução, a lista foca em seus desafios para os mecanismos biológicos mais importantes.

Atualmente, já assinaram a lista doutores pelas seguintes instituições de ensino: Oxford, Cambridge, Harvard, Dartmouth, Rutgers, Universidade de Chicago, Stanford e da Universidade da Califórnia, em Berkeley. Também assinaram a lista professores ou pesquisadores das principais universidades e instituições de pesquisa do mundo, tais como Cambridge, Princeton, MIT [a foto acima mostra o editor e mantenedor deste blog em visita ao Massachussets Institute of Technology, o MIT], UCLA, Universidade da Pensilvânia, Universidade da Geórgia, Tulane, Universidade Estadual de Moscou, Instituto de Chitose da ciência e da tecnologia, no Japão, e Universidade Ben-Gurion, do Negev, em Israel.

Se você possui um mestrado (e atua como professor de medicina), ou já obteve seu doutorado e quer, de igual modo, se declarar publicamente cético em relação ao darwinismo, clique aqui e assine a lista. 

(Everton Fernando Alves é mestre em Ciências da Saúde pela UEM e diretor de ensino do Núcleo Maringaense da Sociedade Criacionista Brasileira [NUMAR-SCB]; seu e-book pode ser lido aqui)