quinta-feira, julho 30, 2015

Dinossauros eram herbívoros

Revisão de conceitos
A Bíblia fala sobre os dinossauros em vários trechos. Porém, vale lembrar que a palavra “dinossauro” não aparece na Bíblia, pois é um termo recente criado em 1841 por Sir Richard Owen a partir da junção de palavras gregas dando o significado de “lagarto terrível”. A Bíblia diz que Deus fez os dinossauros, juntamente com os outros animais terrestres, no sexto dia da semana da Criação (Gênesis 1:20-25, 31). Originalmente, antes do pecado, todos os animais, incluindo os dinossauros, eram vegetarianos. Gênesis 1:30 declara: “E a todos os animais da terra, a todas as aves dos céus e a todos os seres vivos que sobre a terra existem e se movem, igualmente dou por alimento toda a erva verde que a terra produzir; e assim aconteceu.” Portanto, de acordo com a cronologia bíblica, sabemos que os dinossauros foram criados há aproximadamente seis mil anos.[1]

E o que dizer sobre as unhas e os dentes afiados dos dinossauros? Esse argumento tem sido utilizado para inferir que eles eram carnívoros. Mas a simples presença de dentes afiados não mostra a forma como um dinossauro se comportava ou o tipo de alimento que comia. Hoje, muitos animais têm dentes afiados e são basicamente vegetarianos. O panda gigante tem dentes afiados como um carnívoro, mas come somente bambu. Espécies diferentes de morcegos comem fruta, néctar, insetos, pequenos animais e sangue, mas seus dentes não indicam claramente o que comem.

O Dr. Henry Morris afirma: “Se características como unhas e dentes afiados faziam parte do aspecto original, ou eram recessivas e só se tornaram dominantes mais tarde devido a processos de seleção, ou surgiram através de mutações depois da Maldição, ou o que for exatamente, precisam de mais investigação.”[1: p. 78]

Depois do Dilúvio (há cerca de 4.500 anos), os sobreviventes dentre os animais terrestres, incluindo possivelmente alguns dinossauros, saíram da arca e viveram na Terra, juntamente com as pessoas. Por causa do dilúvio, o ecossistema da Terra mudou bastante. Mudanças climáticas pós-diluvianas, escassez de alimento, doenças [mutações genéticas rápidas em uma mesma geração devido à ação de transpósons] e a ação do homem (caça aos dinossauros) os levaram à extinção. Note que, depois do dilúvio, Deus disse a Noé que a partir dali os animais o temeriam e o homem poderia comer da sua carne (Gênesis 9:1-7).

Sendo assim, seres humanos e dinossauros viveram juntos! É claro que a maior parte dos dinossauros era herbívora e a ciência já comprovou isso (veja isto e isto). Porém, devido à presença do pecado e à escassez de alimentos após o dilúvio, possivelmente alguns deles tenham se tornado carnívoros.

Em 1994, ao estudar fósseis de fezes de dinossauro, os cientistas foram capazes de determinar a dieta de alguns deles.[2] Em 2011, um estudo norte-americano analisou 90 espécies de dinossauros e afirmou que a maior parte deles era vegetariana (assim como sugere uma análise bíblica).[3] Em 2015, os cientistas descobriram o primeiro terópode herbívoro do jurássico, como o Tyrannosaurus rex e o Santanaraptor. A partir daí, a comunidade científica teve que reavaliar uma de suas premissas básicas: a de que dinossauros como o T-rex não tinham animais em seu cardápio, mas sim plantas.

Essas pesquisas contrariam a imagem que Hollywood mostra ao mundo acerca dos terópodes, dinossauros supostamente carnívoros por essência, e que causam terror ao rasgar a carne de suas presas com suas poderosas mandíbulas. Anualmente, milhões são gastos em pesquisas especulativas e que não levam a lugar algum. Muito dinheiro e tempo seriam economizados se os cientistas simplesmente folheassem um livro milenar chamado Bíblia à procura da verdade sobre a história das origens.

(Everton Fernando Alves é mestre em Ciências da Saúde pela UEM e diretor de ensino do Núcleo Maringaense da Sociedade Criacionista Brasileira [NUMAR-SCB]; seu e-book pode ser lido aqui)

Referências:
[1] Morris JD. The Young Earth. Green Forest, AR: Master Books, 1994.
[2] Lucas SG. Dinosaurs: The Textbook. Dubuque, IA: Wm C. Brown Publishers, 1994, p. 194-196.
[3] Zanno LE, Makovicky PJ. “Herbivorous ecomorphology and specialization patterns in theropod dinosaur evolution.” Proc Natl Acad Sci U S A. 2011; 108(1): 232-237. http://www.pnas.org/content/108/1/232
[4] Novas FE, Salgado L, Suárez M, Agnolín FL, Ezcurra MD, Chimento NR, de la Cruz R, Isasi MP, Vargas AO, Rubilar-Rogers D. “An enigmatic plant-eating theropod from the Late Jurassic period of Chile.” Nature. 2015; 522(7556):331-4.
http://www.nature.com/nature/journal/v522/n7556/full/nature14307.html