quinta-feira, julho 23, 2015

O ser humano está diminuindo por falta de oxigênio

Mulheres como esta seriam anãs
Alguns evolucionistas tendem a acreditar que os seres humanos estão continuamente melhorando, se desenvolvendo, ficando mais inteligentes e mais rápidos. No entanto, cada vez mais as evidências científicas indicam o contrário. O curioso é que a Bíblia, a partir do livro de Gênesis, relata a (in)volução e degeneração humana devido à entrada do pecado no planeta Terra. A entrada do pecado deu origem não só ao aparecimento de espinhos em plantas, mortes e/ou diminuição de espécies, mas, principalmente, à diminuição dos níveis de elementos químicos essenciais na atmosfera, como o oxigênio. A Bíblia afirma que a Terra sempre possuiu oxigênio (a partir do terceiro dia da semana da criação). Antes do dilúvio, o clima era temperado e possuía muito mais oxigênio do que hoje em dia. Isso contribuía para que as espécies de animais e humanos fossem maiores em estatura do que são hoje, de tal forma que a moça da foto acima pareceria uma anã. Por outro lado, ainda hoje os evolucionistas acreditam (sem nenhuma evidência) que a Terra primitiva apresentava uma atmosfera redutora, isto é, uma atmosfera sem oxigênio. Essa ideia é baseada no fato de que o oxigênio destrói as moléculas necessárias para a vida. Portanto, segundo o raciocínio evolutivo, não poderia ter existido oxigênio na Terra primitiva. No entanto, evidências contrárias sugerem que a atmosfera terrestre sempre teve oxigênio.

Em 1988, um estudo analisou bolhas de ar microscópicas presas em âmbar (resina fossilizada) por meio de um espectrômetro de massa de quadrupolo, dispositivo que identifica a composição química de uma substância. A análise dos gases nessas bolhas mostrou que a atmosfera da Terra há supostos 67 milhões de anos (correspondendo ao período pós-diluviano) continha 50% mais oxigênio do que os níveis atuais (35% comparado aos atuais 21%).[1] Em 1991, outro estudo encontrou fluidos presos em âmbar datados de supostos 76-72 milhões de anos atrás, com um maior nível de oxigênio (24%) em relação ao encontrado atualmente (21%).[2]

Em 2000, um estudo demonstrou um novo método de cálculo de oxigênio na atmosfera da Terra e confirmou maiores níveis de oxigênio no passado em comparação com os atuais 21%, o que pode ter sido um fator importante no desenvolvimento de insetos gigantes.[3] Em 2009, foram encontrados cristais de hematita dentro de rochas sedimentares marinhas preservadas em uma formação de jaspe (vermelho) do Cráton Pilbara, na Austrália. Os autores interpretaram como evidência para a formação dessas rochas em um corpo de água oxigenada há supostos 3,46 bilhões de anos atrás.[4]

Em 2010, outro estudo apresentou os resultados de experimentos em que insetos foram expostos a vários níveis de oxigênio atmosférico.[5] Dez das doze variedades de insetos estudados diminuiu em tamanho quando havia pouco oxigênio. Alguns, como as libélulas, cresceram mais rapidamente e se tornaram maiores em um ambiente enriquecido de oxigênio. Para os autores, esses insetos podem ser representativos daqueles com gigantismo que supostamente viveram no Paleozoico.

As pesquisas apresentadas acima demonstram que a atmosfera que envolvia a Terra “primitiva” (período pré e pós-diluviano) era muito diferente do que é hoje. Isso possivelmente forneceu muitas vantagens (estatura e sobrevida) para a vegetação (árvores imensas), grandes insetos, animais de grande porte (dinossauros) e para os seres humanos. Gênesis 5:3 relata que Adão viveu por 930 anos e que em seu tempo havia gigantes (Gênesis 6:4). Em 2010, um livro publicado pelo antropólogo Peter McAllister apresentou pesquisas que sugeriram que os homens de hoje são mais fracos e não seriam páreo para os seus antepassados ​​em uma batalha de força ou velocidade.[6] Além disso, sabe-se que o genoma humano está se deteriorando (diminuindo de tamanho) devido ao acúmulo de mutações deletérias a cada geração.[7-9]

Nesse sentido, as evidências científicas são claras em demonstrar que tanto o planeta Terra quanto o ser humano estão involuindo (degenerando) ao invés de estar evoluindo em níveis ascendentes, como postulado pelo paradigma evolutivo. A Bíblia mais uma vez mostra a legitimidade de seu conteúdo científico à frente de seu tempo.

(Everton Fernando Alves é mestre em Ciências da Saúde pela UEM e diretor de ensino do Núcleo Maringaense da Sociedade Criacionista Brasileira [NUMAR-SCB]; seu e-book pode ser lido aqui)

Referências:
[1] Berner RALandis GP. “Gas bubbles in fossil amber as possible indicators of the major gas composition of ancient air.” Science. 1988; 239(4846):1406-9.
[2] Bellis D, Wolberg DL. “Analysis of gaseous inclusions in fossil resin from a late cretaceous stratigraphic sequence.” Global and Planetary Change 1991; 5(1-2):69-82.
[3] Berner RA, Petsch ST. “The Sulfur Cycle and Atmospheric Oxygen.” Science. 2000; 282(5393):1426-7.
[4] Hoashi M, Bevacqua DC, Otake T, Watanabe Y, Hickman AH, Utsunomiya S, Ohmoto H. “Primary haematite formation in an oxygenated sea 3.46 billion years ago.” Nat Geosci. 2009; 2:301-306.
[5] Harrison JF, Kaiser A, VanderBrooks JM. “Atmospheric oxygen level and the evolution of insect body size.” Proc Biol Sci. 2010; 277(1690): 1937-1946.
[6] McAllister P. Manthropology: The Science of Why the Modern Male Is Not the Man He Used to Be. New York: St. Martin's Press, 2010.
[7] Lynch M. “Rate, molecular spectrum, and consequences of human mutation.” Proc Natl Acad Sci U S A. 2010; 107(3):961-8.
[8] McLean CYReno PLPollen AABassan AICapellini TDGuenther CIndjeian VBLim XMenke DBSchaar BTWenger AMBejerano GKingsley DM. “Human-specific loss of regulatory DNA and the evolution of human-specific traits.” Nature. 2011; 471(7337):216-9.
[9] Harjunmaa E, Kallonen A, Voutilainen M, Hämäläinen K, Mikkola ML, Jernvall J. “On the difficulty of increasing dental complexity.” Nature. 2012; 483(7389):324-7.